- PUBLICIDADE -

Error: Embedded data could not be displayed.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Terapia dos cones chineses

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
É uma técnica praticada há muitos séculos como remédio popular para melhorar a clareza mental.

A técnica é simples, porém deve ser realizada por profissionais habilitados: coloca-se a parte mais fina do cone na entrada do ouvido e em seguida acende-se a outra extremidade. Assim que o fogo consome todo o oxigênio contido no interior do cone, inicia-se um suave processo de aspiração (pressão negativa por causa do vácuo). Essa aspiração mobiliza todo o muco acumulado nas passagens internas do ouvido, nariz e garganta (pois são todos interligados), desobstruindo as passagens internas, ajudando assim o organismo a se auto-regular.




Indicações


  • Perda de audição causada por bloqueio de secreções, como em casos de rinite, sinusite e otite.

  • Tonturas de causas desconhecidas.
  • Zumbido nos ouvidos causado por presença de fluidos.
  • Problemas nasofaríngeos, que causam catarro.
  • Circulação linfática lenta – a aplicação dos cones estimula a circulação periférica.
  • Excesso de cerume, eliminado pelo calor e pelo efeito de sucção desse procedimento.
  • Febre.
  • Higiene dos ouvidos: o dedo e a unha podem ferir o ouvido externo. Os cones dão um tratamento higiênico efetivo e sem risco de danos.
  • Irritação dos ouvidos e dos sinus: efeito calmante e desinfetante.
  • Náuseas: pode contribuir reduzindo a pressão de fluidos responsáveis pelo equilíbrio.
  • Otalgias devido a otites: favorece a drenagem das secreções.

  • Otalgias sem otites: o calor pode ter um efeito calmante da dor, porém deve-se determinar as causas.
  • Pressão auricular (enxaquecas): ajuda equilibrando os fluidos que provocam a dor.
  • Sinusite crônica: alivia os sinus que se conectam com a trompa de Eustáquio.
  • Deficiência do nervo auditivo: é importante observar um bloqueio ou choque emocional.
  • Síndrome de Meniére: contribui no balanceamento dos fluidos no labirinto.
  • Tensão nervosa: relaxamento cerebral. Ajuda acalmando as mensagens transmitidas do sistema sensorial.
  • Problemas de circulação nos ouvidos.
  • Vertigens e labirinto: relacionados a problemas no ouvido interno.
  • Zona auricular: é uma doença viral (herpes) que se localiza no trajeto de um nervo sensível.
Contra-indicações
  • Cirurgias recentes.
  • Cisto no ouvido.
  • Mastoidite em fase aguda.
  • Corrimentos.
  • Osteosclerose.
  • Perda de audição congênita.
  • Tumor no ouvido.
Texto adaptado de:
http://www.susikelly.com/cones.html