Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Substâncias naturais com atividade analgésica

As substâncias marcadas com asterisco são destinadas especificamente para a dor associada à osteoartrite.
• Cânfora e capsaicina (Cinnamomum camphora e Capsicum species): substâncias contrairritantes que estimulam terminações nervosas, inibindo a dor. São recomendadas para aplicação tópica em dores leves a moderadas. A cânfora está indicada em dores leves e agudas, como picadas de inseto e queimaduras leves. A capsaicina alivia temporariamente a dor em osteoartrite e outras condições. A aplicação provoca ardor e certo desconforto.
• Ácido alfalipoico: é um antioxidante que parece aumentar o fluxo sanguíneo neuronal e a captação de glicose. O resultado é a melhora da função nervosa periférica. Em pacientes diabéticos com neuropatia periférica, doses diárias de 600 a 1.200 mg reduzem os sintomas de dor e disestesia. O ácido alfalipoico deve ser considerado em pacientes com dor neuropática que não respondem a outros tratamentos analgésicos.
• Bromelaína: é o nome dado a um extrato de enzimas proteolíticas extraídas de plantas da família Bromeliaceae, que inclui o abacaxi (Ananas comosus). Atua bloqueando alguns metabólitos que ativam a migração de leucócitos. Por isso é um agente anti-inflamatório utilizado em lesões desportivas, traumas, artrites e outros tipos de processos inflamatórios. O uso oral de 400 mg de seu extrato por dia tem potencial para reduzir dor e inflamação.
• Magnésio: devido à sua propriedade relaxante muscular, pode ser usado em dor associada à contratura muscular. A quantidade diária recomendada é de 350 mg, mas doses de até 1.000 mg parecem ser seguras em pessoas sadias. Na gestação, o uso deve ser supervisionado, devido à sua ação sobre a musculatura uterina.
• Unha-de-gato e garra-do-diabo (Uncaria guianensis e Harpagophytum procumbens): ervas com propriedades anti-inflamatórias.
• Sulfatos de condroitina e de glucosamina*: atuam sobre a dor e sobre a progressão da osteoartrite.
• Óleos de abacate (Persea americana) e de soja (Glycine max)*: estudos clínicos com esses extratos sugeriram melhora de dor e funcionalidade em osteoartrite de joelho.
• Betacaroteno, vitamina C e outros antioxidantes*: podem retardar a progressão da osteoartrite, porém apenas se vierem da ingestão alimentar.
• Ácidos graxos cetilados*: há relatos animadores do controle de sintomas com o uso de suplementos orais e também de cremes de aplicação tópica.
• Superóxido desmutase*: é uma enzima antioxidante encontrada em todas as células, que converte substâncias tóxicas em outras inofensivas. Age prevenindo o dano relacionado à oxidação dos tecidos articulares, porém não funciona se ingerido por via oral, apenas injeções intra-articulares da substância mostraram efetividade.
Fonte: Artigo escrito por Roberta de Medeiros, doutora, professora titular de fisiologia do Centro Universitário São Camilo, São Paulo (SP), Brasil. 

Texto adaptado
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM