Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Você leva o celular no bolso? Depois de ler isto vai ter razões para não levar mais

Os telefones celulares se tornaram "ferramentas" essenciais do homem moderno e, sem eles, a vida seria simplesmente impensável para muitos.

A tecnologia dos aparelhos celulares é relativamente nova.

E as consequência disso ainda não são conhecidas com convicção.

Na verdade, todos nós estamos sendo cobaias do que talvez seja o maior experimento que já ocorreu.

Um fato que deixa patente isso é que, algum tempo atrás, A exposição às ondas eletromagnéticas foi considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como possivelmente cancerígena.

Ou seja, para a OMS, "possivelmente" o celular causa câncer.

Entendeu?

"Possivelmente" não é certeza, ou seja, a OMS põe o fato no campo das possibilidades porque ainda não há provas concretas.

Talvez não existam provas "concretas" de que o celular cause câncer.

Mas existem sim muitos estudos correlacionando o celular a sérios problemas de saúde.

Por exemplo,  segundo pesquisadores da Universidade de Exeter, no Reino Unido, deixar o celular no bolso da calça pode contribuir para a infertilidade masculina.

Para chegar a essa conclusão, os cientistas analisaram dez pesquisas, que incluíam 1.492 amostras de espermas cedidas por clínicas de fertilização e centros de pesquisa.

As amostras que tinham sido expostas à radiação do celular apresentaram redução de 8% na motilidade e de 9% na viabilidade dos espermatozoides.

Ou seja, houve uma redução da atividade e do percentual de espermatozoides vivos.

Além de exporem o esperma à radiação, celulares no bolso também podem elevar a temperatura da região do testículo, o que poderia comprometer a qualidade dos espermatozoides.

Outro estudo, realizado na Suécia, mostrou que o uso prolongado desse tipo de aparelho aumenta em 240% o risco de desenvolvimento de tumores no cérebro.

O estudo analisou 2.200 pacientes com câncer e 2.200 usuários saudáveis, em busca de alguma conexão entre o uso de aparelhos celulares e o desenvolvimento de tumores cerebrais. 

Segundo Kjell Mild, líder do estudo, o uso dos celulares aumentou em 240% o risco de câncer no lado da cabeça onde o celular é mais usado.

Verdade que o estudo fala de uso prolongado, mesmo assim é preocupante, pois muita gente fica horas ao celular e alguns dormem até com o aparelho ao lado da cabeça.

Há muitos outros estudos conectando o celular a doenças, poderíamos escrever páginas e mais páginas sobre eles.

No entanto, o mais importante é orientar você para minimizar os riscos dessa tecnologia na sua vida.

Claro que, num mundo onde a quantidade de aparelhos móveis caminha para superar a de pessoas, é impossível ficar livre da poluição eletromagnética causada por esses aparelhos. 

Mas existem sim medidas que atenuam a ação negativa das ondas eletromagnéticas do celular. 

Veja algumas:

– Use fones de ouvido ou o viva-voz. 

– Não deixe o telefone ligado perto do corpo.

– Não fale em lugares apertados e onde o sinal fica fraco, como carros e elevadores.

– Cuidado com gadgets que prometem proteger contra a radiação, pois a maioria piora a radiação e força o celular a transmitir com mais potência. 

– Oriente seus filhos para que enviem mais mensagens (SMS ou WhatsApp) em vez de fazer ligações. 

– Grávidas devem manter o celular longe da barriga. 

– Homens devem evitar carregá-lo no bolso, pois a radiação do aparelho pode prejudicar a fertilidade. 

– Se tiver de deixá-lo no bolso (se for a única maneira), vire o lado do teclado para o seu corpo, pois as antenas, onde há maior radiação, ficam na parte de trás.

Outro estudo, realizado na Suécia, mostrou que o uso prolongado desse tipo de aparelho aumenta em 240% o risco de desenvolvimento de tumores no cérebro.

O estudo analisou 2.200 pacientes com câncer e 2.200 usuários saudáveis, em busca de alguma conexão entre o uso de aparelhos celulares e o desenvolvimento de tumores cerebrais. 

Segundo Kjell Mild, líder do estudo, o uso dos celulares aumentou em 240% o risco de câncer no lado da cabeça onde o celular é mais usado.

Verdade que o estudo fala de uso prolongado, mesmo assim é preocupante, pois muita gente fica horas ao celular e alguns dormem até com o aparelho ao lado da cabeça.

Há muitos outros estudos conectando o celular a doenças, poderíamos escrever páginas e mais páginas sobre eles.

No entanto, o mais importante é orientar você para minimizar os riscos dessa tecnologia na sua vida.

Claro que, num mundo onde a quantidade de aparelhos móveis caminha para superar a de pessoas, é impossível ficar livre da poluição eletromagnética causada por esses aparelhos. 

Mas existem sim medidas que atenuam a ação negativa das ondas eletromagnéticas do celular. 

Veja algumas:

– Use fones de ouvido ou o viva-voz. 

– Não deixe o telefone ligado perto do corpo.

– Não fale em lugares apertados e onde o sinal fica fraco, como carros e elevadores.

– Cuidado com gadgets que prometem proteger contra a radiação, pois a maioria piora a radiação e força o celular a transmitir com mais potência. 

– Oriente seus filhos para que enviem mais mensagens (SMS ou WhatsApp) em vez de fazer ligações. 

– Grávidas devem manter o celular longe da barriga. 

– Homens devem evitar carregá-lo no bolso, pois a radiação do aparelho pode prejudicar a fertilidade. 

– Se tiver de deixá-lo no bolso (se for a única maneira), vire o lado do teclado para o seu corpo, pois as antenas, onde há maior radiação, ficam na parte de trás.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM