Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Viver mais: o segredo pode ser a quantidade certa de carboidratos

Você provavelmente já ouviu falar sobre a dieta rica em carboidratos e a dieta low-carb, baseada em uma redução do consumo de carboidratos simples na alimentação, como arroz branco, macarrão e pão.

Mas agora um novo estudo sugere que, ao contrário do que muitos pensam, a dieta moderada em carboidratos é o que pode ser a chave para a longevidade.

Pesquisadores acompanharam mais de 15.000 pessoas nos Estados Unidos por uma média de 25 anos e descobriram que dietas de baixo carboidrato (menos de 40% das calorias de carboidratos) e dietas ricas em carboidratos (mais de 70% das calorias) estavam associadas a um aumento do risco de morte prematura.

É verdade. Já o consumo moderado de carboidratos (50 a 55 por cento das calorias) foi associado com o menor risco de morte prematura.

"Este trabalho fornece o estudo mais abrangente da ingestão de carboidratos feito até hoje e nos ajuda a entender melhor a relação entre os componentes específicos da dieta e a saúde a longo prazo", disse o autor sênior do estudo, doutor Scott Solomon, de Brigham and Women's Hospital e Harvard Medical School, em Boston.

Os pesquisadores estimaram que, a partir dos 50 anos, as pessoas que ingerem uma dieta moderada em carboidratos viveriam outros 33 anos, quatro  a mais do que aqueles com consumo muito baixo de carboidratos, e um ano a mais do que aqueles com alto consumo de carboidratos.

Mas atenção: as dietas de baixo carboidrato podem não ser todas iguais.

Comer mais proteínas e gorduras de origem animal de alimentos como carne bovina, cordeiro, porco, frango e queijo, em vez de carboidratos, foi associado a um risco maior de morte precoce.

Por outro lado, comer mais proteínas e gorduras vegetais de alimentos como legumes, verduras e nozes diminui esse  risco.

Cura pela Natureza

CURA PELA NATUREZA – LEIA AQUI AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Segundo os cientistas, é preciso considerar que os hábitos alimentares dos participantes foram citados por eles mesmos e avaliados apenas no início do estudo e seis anos depois.

Esses hábitos, porém, poderiam ter mudado ao longo de 25 anos, o que pode afetar a ligação entre a ingestão de carboidratos e a longevidade.

Foram analisados também dados de mais de 432.000 pessoas em mais de 20 países.

O resultado foi a descoberta de que aqueles com alto e baixo consumo de carboidratos tinham uma expectativa de vida menor do que aqueles com ingestão moderada de carboidratos.

"Enquanto um ensaio randomizado não for realizado para comparar os efeitos a longo prazo de diferentes tipos de dietas pobres em carboidratos, esses dados sugerem que a mudança para um consumo mais baseado em plantas provavelmente ajuda a prevenir doenças mortais”, disse Solomon, em um comunicado de imprensa da revista The Lancet Public Health.

Segundo a líder do estudo, doutora Sara Seidelmann, cardiologista do Brigham and Women's Hospital, "dietas de baixo carboidrato que o substituem por proteína ou gordura animal estão ganhando popularidade como uma estratégia de saúde e perda de peso. No entanto, nossos dados sugerem que as dietas de baixo carboidrato baseadas em animais podem estar associadas a um menor tempo de vida e devem ser desencorajadas".

Seidelmann sugeriu que, "em vez disso, se alguém escolhe seguir uma dieta pobre em carboidratos, trocando-o por mais gorduras e proteínas à base de plantas pode realmente promover o envelhecimento saudável a longo prazo".

Este blog de notícias sobre tratamentos naturais não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

VEJA TAMBÉM

DEIXE SEU COMENTÁRIO

PUBLICIDADE