Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Um perigo chamado aspartame

Ingestão pode fazer engordar e ainda causar danos neurológicos

Um estudo recente da Escola de Medicina da Universidade do Texas concluiu que, quanto mais uma pessoa bebe refrigerante diet, mais ela engorda e ainda pode haver um aumento no nível de acúçar no sangue. Os refrigerantes são os produtos que mais contêm aspartame, além de chicletes, biscoitos e até mesmo alguns medicamentos.

Para o Dr. Mohamad Barakat, endocrinologista, nutrólogo e fundador do Instituto de Medicina Integrada Health4Life, os riscos desse tipo de adoçante vão muito além do aumento de peso. Ele explica que, quando submetido a temperaturas acima dos 30 graus, o aspartame libera uma substância denominada ácido fórmico, bastante utilizado como veneno para formiga. “Uma vez que nosso corpo tem uma temperatura média de 36 graus, toda vez que ingerimos aspartame, ele é transformado em ácido fórmico”, conclui.

Esse ácido age nociva e diretamente nos neurônios. “O neurônio é um nervo que tem uma ‘capinha’ chamada mielina, como um fio elétrico que tem a capa plástica. O ácido fórmico desencapa o neurônio, destruindo essa fibra de mielina. A consequência é o surgimento de problemas neurológicos severos, como Alzheimer, Parkinson, fibromialgia e esclerose múltipla”, alerta o especialista.

Quando começou a ser comercializado, o aspartame era considerado a solução para substituir o açúcar dos alimentos e, assim, auxiliar no emagrecimento. Mas, para o Dr. Mohamad Barakat, endocrinologista, nutrólogo e fundador do Instituto de Medicina Integrada Health4Life, não basta trocar o açúcar pelo aspartame. “Emagrecer não é trocar as substâncias, ou a maneira de adoçar seus alimentos. É reeducar a sua forma de se alimentar, seu estilo de vida, sua atividade física. É um grupo de ações que devem ser inseridas na vida dessa pessoa para que possa gerar emagrecimento”, disse o nutrólogo.

Segundo o médico, para quem realmente precisa excluir o açúcar de sua dieta, como no caso dos diabéticos, o mercado já oferece adoçantes à base de sucralose, que adoçam, não causam cárie, têm um paladar agradável e não oferecem os mesmos riscos que o aspartame.

Fonte: Busca Saúde (texto adaptado)

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO