Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Um casamento feliz é mais importante que a riqueza, diz a ciência

O casamento é um fator-chave para a felicidade das pessoas, revelou estudo feito na Grã-Bretanha.

O que é felicidade para você?

Dinheiro, saúde, amor?

Segundo uma pesquisa, publicada pelo Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS), o estado civil de uma pessoa só perde para a boa saúde, quando o assunto são as principais razões pelas quais ela se sente feliz.

E se o casamento for bem-sucedido, então, ganha disparado da riqueza, e é apontado, segundo o estudo, como fator-chave para encontrar contentamento.

Os dados, que vêm de uma pesquisa anual da população da Grã-Bretanha, descobriram que o casamento ultrapassou a riqueza econômica na lista de fatores mais importantes quando as pessoas avaliam o quanto suas vidas são felizes.

As pessoas casadas classificaram sua satisfação com a vida em 9,9% mais alta que as viúvas, e 8,8% mais do que as divorciadas ou separadas.

No entanto, aqueles que são solteiros relataram ser 0,2% mais felizes do que aqueles que são divorciados.

Uma vida social ativa também é fator de felicidade.

Um estudo publicado em 2008, no British Medical Journal, descobriu que as pessoas que tinham contato regular com dez ou mais pessoas eram significativamente mais felizes do que as que não tinham, e que aquelas com menos amigos eram menos felizes no geral.

O último estudo também mostrou que a idade é a característica pessoal mais fortemente relacionada à felicidade: os jovens relataram maior satisfação com a vida.

Pessoas com uma média de 40 anos relataram pouca felicidade, ao contrário daqueles que estão perto da idade de aposentadoria.

As pessoas que possuem uma casa própria também avaliaram sua satisfação com a vida maior do que as que moram em casas alugadas.

Além disso, as que gastam dinheiro em hotéis e restaurantes obtêm melhores classificações de felicidade do que aquelas que gastam mais em assinaturas de seguros e de telefonia móvel.

Embora não haja evidência de uma associação entre a renda disponível das famílias e a satisfação com a vida como um todo, a maior renda familiar disponível tem um impacto positivo na probabilidade de as pessoas relatarem ser felizes.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO