Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Sutiã causa câncer. Mito ou verdade?


Quando esses vasos são fechados, há menos oxigênio e nutrientes entregues às células e os resíduos tóxicos ficam acumulados.

O casal de médicos realizou, em maio de 1991, uma pesquisa em que foram entrevistadas 4.000 mulheres em cinco grandes cidades dos EUA.

Todas as mulheres que foram estudadas eram de ascendência caucasiana, de renda média e a idade variava entre 30 e 79. 

A maioria das mulheres que foram entrevistadas disseram que estavam descontentes com a forma e o tamanho dos seios e usavam sutiã apenas para melhorar a aparência deles.


Sydney Ross Singer e Soma Grismaijer











O estudo mostrou que 3 de 4 dessas mulheres que usavam sutiã para dormir contraíram câncer de mama e que 1 em cada 7 das mulheres que usavam sutiã por mais de 12 horas por dia também contraíram.

A pesquisa também revelou que apenas 1 em cada 168 mulheres que não usavam sutiã contraiu câncer de mama.

Os médicos autores também fizeram a seguinte reflexão: homem também pode ter câncer de mama.



Mas são raríssimos os casos de câncer de mama entre os homens.

E eles não usam sutiã…

Muitos médicos e cientistas criticaram  Sydney Ross Singer e Soma Grismaijer e mostraram argumentos que podem levar qualquer um de nós a não acreditar na tese de que sutiã causa câncer de mama.

E até hoje a American Cancer Society diz não haver absolutamente nenhuma evidência que leve à correlação sutiã e câncer de mama.

O raciocínio dela é que não há estudos conclusivos para mostrar a existência dessa ligação. 

Mas, olhando para o passado, até a década de 1930 não havia “ligação” para provar que o cigarro causava câncer de pulmão, apesar  de já existirem especulações.

E até 1950 muitos médicos ainda promoviam o consumo de cigarro.

Somente em 1964, a American Cancer Society finalmente mencionou que havia uma associação direta entre tabagismo e câncer de pulmão. 

Se eles tivessem aceitado essa associação antes, muitas vidas teriam sido poupadas, não é mesmo?

Fique, portanto, você que é mulher, atenta à conexão sutiã-câncer de mama.

Se é mito, se é verdade, ainda não sabemos.

Mas onde há fumaça – como mostraram haver os autores do livro Dressed to Kill – há fogo. 

Se você nunca ouviu falar da hipótese de que sutiã pode causar câncer, certamente pensará que isso é uma novidade.

Mas não é.

Há 20 anos se especula sobre esse fato.

Tudo na verdade começou em 1995 com o livro Dressed to Kill (Vestida para Matar), em que Sydney Ross Singer e Soma Grismaijer, uma casal de médicos, afirmavam que as mulheres que usavam apertados sutiãs o dia todo, todos os dias, tinham um risco muito mais elevado de desenvolver câncer de mama do que aquelas que não usavam.

Para os autores, o sutiã  pode restringir finos vasos linfáticos, comprimindo-os, o que pode levar a uma acumulação de líquido tóxico, que deveria ser drenado por meio desse sistema.

Reprodução da capa
do livro


Quando esses vasos são fechados, há menos oxigênio e nutrientes entregues às células e os resíduos tóxicos ficam acumulados.

O casal de médicos realizou, em maio de 1991, uma pesquisa em que foram entrevistadas 4.000 mulheres em cinco grandes cidades dos EUA.

Todas as mulheres que foram estudadas eram de ascendência caucasiana, de renda média e a idade variava entre 30 e 79. 

A maioria das mulheres que foram entrevistadas disseram que estavam descontentes com a forma e o tamanho dos seios e usavam sutiã apenas para melhorar a aparência deles.


Sydney Ross Singer e Soma Grismaijer











O estudo mostrou que 3 de 4 dessas mulheres que usavam sutiã para dormir contraíram câncer de mama e que 1 em cada 7 das mulheres que usavam sutiã por mais de 12 horas por dia também contraíram.

A pesquisa também revelou que apenas 1 em cada 168 mulheres que não usavam sutiã contraiu câncer de mama.

Os médicos autores também fizeram a seguinte reflexão: homem também pode ter câncer de mama.



Mas são raríssimos os casos de câncer de mama entre os homens.

E eles não usam sutiã…

Muitos médicos e cientistas criticaram  Sydney Ross Singer e Soma Grismaijer e mostraram argumentos que podem levar qualquer um de nós a não acreditar na tese de que sutiã causa câncer de mama.

E até hoje a American Cancer Society diz não haver absolutamente nenhuma evidência que leve à correlação sutiã e câncer de mama.

O raciocínio dela é que não há estudos conclusivos para mostrar a existência dessa ligação. 

Mas, olhando para o passado, até a década de 1930 não havia “ligação” para provar que o cigarro causava câncer de pulmão, apesar  de já existirem especulações.

E até 1950 muitos médicos ainda promoviam o consumo de cigarro.

Somente em 1964, a American Cancer Society finalmente mencionou que havia uma associação direta entre tabagismo e câncer de pulmão. 

Se eles tivessem aceitado essa associação antes, muitas vidas teriam sido poupadas, não é mesmo?

Fique, portanto, você que é mulher, atenta à conexão sutiã-câncer de mama.

Se é mito, se é verdade, ainda não sabemos.

Mas onde há fumaça – como mostraram haver os autores do livro Dressed to Kill – há fogo. 

Se você nunca ouviu falar da hipótese de que sutiã pode causar câncer, certamente pensará que isso é uma novidade.

Mas não é.

Há 20 anos se especula sobre esse fato.

Tudo na verdade começou em 1995 com o livro Dressed to Kill (Vestida para Matar), em que Sydney Ross Singer e Soma Grismaijer, uma casal de médicos, afirmavam que as mulheres que usavam apertados sutiãs o dia todo, todos os dias, tinham um risco muito mais elevado de desenvolver câncer de mama do que aquelas que não usavam.

Para os autores, o sutiã  pode restringir finos vasos linfáticos, comprimindo-os, o que pode levar a uma acumulação de líquido tóxico, que deveria ser drenado por meio desse sistema.

Reprodução da capa
do livro


Quando esses vasos são fechados, há menos oxigênio e nutrientes entregues às células e os resíduos tóxicos ficam acumulados.

O casal de médicos realizou, em maio de 1991, uma pesquisa em que foram entrevistadas 4.000 mulheres em cinco grandes cidades dos EUA.

Todas as mulheres que foram estudadas eram de ascendência caucasiana, de renda média e a idade variava entre 30 e 79. 

A maioria das mulheres que foram entrevistadas disseram que estavam descontentes com a forma e o tamanho dos seios e usavam sutiã apenas para melhorar a aparência deles.


Sydney Ross Singer e Soma Grismaijer











O estudo mostrou que 3 de 4 dessas mulheres que usavam sutiã para dormir contraíram câncer de mama e que 1 em cada 7 das mulheres que usavam sutiã por mais de 12 horas por dia também contraíram.

A pesquisa também revelou que apenas 1 em cada 168 mulheres que não usavam sutiã contraiu câncer de mama.

Os médicos autores também fizeram a seguinte reflexão: homem também pode ter câncer de mama.



Mas são raríssimos os casos de câncer de mama entre os homens.

E eles não usam sutiã…

Muitos médicos e cientistas criticaram  Sydney Ross Singer e Soma Grismaijer e mostraram argumentos que podem levar qualquer um de nós a não acreditar na tese de que sutiã causa câncer de mama.

E até hoje a American Cancer Society diz não haver absolutamente nenhuma evidência que leve à correlação sutiã e câncer de mama.

O raciocínio dela é que não há estudos conclusivos para mostrar a existência dessa ligação. 

Mas, olhando para o passado, até a década de 1930 não havia “ligação” para provar que o cigarro causava câncer de pulmão, apesar  de já existirem especulações.

E até 1950 muitos médicos ainda promoviam o consumo de cigarro.

Somente em 1964, a American Cancer Society finalmente mencionou que havia uma associação direta entre tabagismo e câncer de pulmão. 

Se eles tivessem aceitado essa associação antes, muitas vidas teriam sido poupadas, não é mesmo?

Fique, portanto, você que é mulher, atenta à conexão sutiã-câncer de mama.

Se é mito, se é verdade, ainda não sabemos.

Mas onde há fumaça – como mostraram haver os autores do livro Dressed to Kill – há fogo. 

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO