Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

A síndrome selfie: cientistas associam exagero em selfies a vício e distúrbio mental

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Vamos falar de um assunto muito delicado para esta geração.

Você sabia que essa tendência crescente de tirar selfies em smartphones está causando novas doenças mentais?

O problema é a obsessão, geralmente pelos mais jovens, com a aparência perfeita.

De acordo com o psiquiatra David Veal, dois em cada três pacientes com transtorno dismórfico corporal que o visitam desde a ascensão de telefones com câmera têm uma compulsão por selfies.

(Transtorno dismórfico corporal é um problema de saúde mental relacionados à imagem corporal, em que o indivíduo tem uma preocupação exagerada com um ou mais defeitos percebidos em sua aparência.)

Todo mundo sabe que o objetivo é postar as fotos em redes sociais, mas o dr. Veal garante que a terapia comportamental cognitiva encontra outra resposta.

O rapaz passava 10h por dia tirando fotos de si mesmo – chegando a cerca de 200 selfies.


Danny Bowman: vítima da “síndrome selfie”

Bowman abandonou a escola, perdeu 13 kg e não saiu de casa por seis meses.

Todas as manhãs, assim que acordava, tirava 10 selfies.

Essa loucura permaneceu até que ele se dar conta de que não conseguiria alcançar o seu objetivo.

Frustrado, tentou tirar a própria vida, mas graças a Deus foi salvo pela mãe.

Veja o que ele disse: “Eu estava constantemente em busca de tirar a selfie perfeita e, quando eu percebi que não podia, quis morrer. Perdi meus amigos, minha escola, minha saúde e quase perco minha vida”.

Acredita-se que Bowman foi o primeiro adolescente viciado em selfie do Reino Unido.

E, para se livrar da dependência, passou por tratamento para acabar com a compulsão por tecnologias e com o transtorno dismórfico corporal.

Segundo o psiquiatra, o tratamento ajuda o paciente a refletir a real motivação do seu comportamento repetitivo, ensinando-o a moderar.

Parece exagero  falar que a selfie pode causar doença metal, não é?

Mas os fatos provam que não.


Os psicólogos americanos garantem que tudo isso é bem possível e alertam os pais para que vigiem o acesso das crianças e adolescentes à internet.

O medo é que o caso de Bowman possa se repetir. 

Quem é Bowman?

Danny Bowman, 19 anos, é um jovem britânico que tentou cometer suicídio depois de ficar obcecado pela foto perfeita.

Sua depressão teve início quando começou a receber comentários maldosos, de seus amigos, nas suas fotos no Facebook.

“Um deles disse que meu nariz era grande demais para o meu rosto, e outro criticou a minha pele”, disse. 

Querendo provar o contrário, o garoto deu início ao grande drama.

O rapaz passava 10h por dia tirando fotos de si mesmo – chegando a cerca de 200 selfies.


Danny Bowman: vítima da “síndrome selfie”

Bowman abandonou a escola, perdeu 13 kg e não saiu de casa por seis meses.

Todas as manhãs, assim que acordava, tirava 10 selfies.

Essa loucura permaneceu até que ele se dar conta de que não conseguiria alcançar o seu objetivo.

Frustrado, tentou tirar a própria vida, mas graças a Deus foi salvo pela mãe.

Veja o que ele disse: “Eu estava constantemente em busca de tirar a selfie perfeita e, quando eu percebi que não podia, quis morrer. Perdi meus amigos, minha escola, minha saúde e quase perco minha vida”.

Acredita-se que Bowman foi o primeiro adolescente viciado em selfie do Reino Unido.

E, para se livrar da dependência, passou por tratamento para acabar com a compulsão por tecnologias e com o transtorno dismórfico corporal.

DEIXE SEU COMENTÁRIO