PUBLICIDADE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Síndrome do impostor: a crença de não ser bom o suficiente

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Sentimentos de inferioridade, insegurança e baixa autoestima são corriqueiros em quem sofre com a síndrome do impostor.

Já ouviu falar na síndrome do impostor?

Você está fazendo seu trabalho, procura se esforçar ao máximo pela carreira e empresa onde está inserido, mas parece que é só uma questão de tempo até as pessoas descobrirem que seu desempenho é muito ruim e que, na verdade, não passa de uma farsa.

Você está vivendo um relacionamento com aquela pessoa por quem está apaixonado e com quem quer construir uma história, mas, no fundo, acredita que ela merece coisa melhor e que logo vai se dar conta disso.

Para alguns, esses dois cenários descritos acima podem não fazer muito sentido.

Já para outros, ilustra exatamente o que vivem dia após dia, seja no âmbito profissional, pessoal, ou em ambos.

Para ter uma ideia, segundo pesquisa da Universidade Dominicana da Califórnia, cerca de 70% da população se sente uma farsa em seu ambiente de trabalho.

Essa é a chamada síndrome do impostor, uma desordem na autopercepção que leva o indivíduo a ter uma visão equivocada sobre si mesmo e uma constante certeza de não ser bom ou merecedor o bastante.

Sentimentos de inferioridade, insegurança e baixa autoestima são corriqueiros neste caso.

Você desconfia de que isso pode estar acontecendo na sua vida?

Saiba mais sobre os sinais da síndrome e como lidar com ela!

Como saber se tenho a síndrome do impostor?

Já parou para pensar nos fatores a que geralmente atribui suas próprias vitórias?

Um hábito comum de quem tem essa distorção na maneira como enxerga as próprias capacidades é a de sempre menosprezar seus méritos.

Sorte, destino e ajuda de terceiros são constantemente usados como únicas justificativas para as realizações.

Geralmente, o mérito e o esforço próprio não entram na roda e são sempre ocultados.

Outros sinais indicadores:

  • Procrastinação para realizar trabalhos e atividades devido à insegurança e perfeccionismo
  • Medo de exposição e preferência por “não chamar atenção” pelo medo do julgamento
  • Necessidade de agradar a todos
  • Autossabotagem e pessimismo, achando que tudo sempre dará errado
  • Autocobrança exagerada

Como superar a síndrome do impostor?

A mais eficiente e importante forma de lidar com a síndrome do impostor é conversando sobre ela com alguém qualificado e capaz de compreendê-la.

É o caso do psicólogo.

A ajuda profissional em terapia é capaz de trabalhar questões de autoconhecimento e reconhecimento de potencialidades, questões cruciais para superar o problema.

Além disso, adotar alguns hábitos simples podem contribuir muito positivamente para a melhoria.

Alguns deles são:

Acolha os elogios

Pela ideia que fazem de si mesmas, as pessoas que possuem a síndrome do impostor costumam não saber lidar com elogios recebidos, recusando-os ou não acreditando neles.

Comece a treinar sua mente para mudar esse comportamento.

Pense que, se as pessoas estão elogiando algum aspecto sobre você, é porque eles são reais.

Elas estão fazendo isso de forma espontânea, então não há nenhum motivo para acreditar que suas opiniões não sejam absolutamente verdadeiras.

Anote suas qualidades

Pare por um momento e pense sobre você.

Lembre-se das características que gosta em si mesmo e de atitudes que já teve e das quais se orgulhou.

Registre tudo, sem timidez ou medo de julgamentos, essas anotações são só para você.

Depois, sempre que estiver se sentindo mal, volte a elas e recorde de tudo aquilo que tem de positivo.

Evite comparações

Comparar-se com outras pessoas é uma enorme perda de tempo.

É o tipo de comparação que nunca será justa, já que cada ser humano neste mundo está no seu próprio ritmo e tempo de desenvolvimento.

Quando o ímpeto da comparação surgir, busque se comparar com sua versão do passado.

Analise as mudanças de sua vida, o que aprendeu, o quanto evoluiu.

E nunca se esqueça: a autopercepção que leva ao sentimento de não ser suficiente é falsa.

Não, na realidade você não é uma fraude.

Seu chefe ainda não descobriu que seu trabalho é ruim, seus amigos ainda não perceberam que você não é um amigo tão bom assim e seu parceiro ainda não notou que você é inferior a ele simplesmente porque nada disso é verdade.

Fale sobre a síndrome do impostor, busque ajuda profissional, olhe para si mesmo valorizando suas conquistas e pontos positivos, e saboreie todas as vitórias que, sim, você merece!

Mais Lidas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a nossa Política de Privacidade.