Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Seu arroz está contaminado pelo tóxico arsênico; saiba como resolver o problema

O arsênico é um produto químico e tóxico encontrado naturalmente no solo e nas águas subterrâneas como parte de um composto inorgânico.

Um grande número de vegetais cultivados contém arsênico, mas em quantidade bem reduzida.

Já o arroz…

Cultivado convencionalmente em arrozais inundados, o cereal absorve mais arsênico do que qualquer outro vegetal. 

Níveis elevados desse produto químico foram associados a diferentes tipos de câncer e a outros problemas de saúde.

Sabe qual é o pior?

É que bilhões de pessoas consomem arroz diariamente.

O resultado é que o arroz coloca na dieta humano mais arsênico que qualquer outro alimento.

A Agência Americana de Alimentos e medicamentos (FDA) garante que os níveis de arsênico no arroz são incapazes de provocar doenças.

Mas você confia?

A gente não.

Aliás, não só nós, um monte de gente.


E o pior é que parece que o nível de contaminação do arroz brasileiro é maior que o do produzido nos Estados Unidos.

É o que indica um estudo realizado pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP.

A análise identificou concentrações expressivas da substância arsênico em diversas variedades de arroz comercializados no país, tais como o tipo branco (polido), o arroz integral (sem polimento) e parboilizado (do inglês partial boiled, ou seja, parcialmente fervido). 

Nas análises, foram constatados níveis moderadamente elevados, na faixa dos 222 nanogramas (ng) de arsênico por grama de arroz, similares a concentrações encontradas em arroz de países como a China. 

“Tal concentração elevada pode contribuir para o desenvolvimento de doenças crônicas, como o câncer”, observa o farmacêutico-bioquímico Bruno Lemos Batista, autor do estudo.

Você consome arroz integral?

Aí vai uma péssima notícia: no estudo, o arroz do tipo integral foi um dos que apresentaram maiores concentrações, pois, em geral, o arsênico pode se acumular no farelo.

Mas calma!

Não entre e desespero nem parta para soluções radicais, como eliminar o arroz da dieta.

Existem técnicas que reduzem a concentração dessa substância química no arroz.

A FDA cita vários estudos que indicam que “lavar arroz completamente até que a água esteja clara (4-6 mudanças de água) reduz o teor total de arsênico em até cerca de 25% a 30%”.

Andrew Meharg, cientista de plantas e solos na Universidade Queen’s em Belfast, no Reino Unido, dá outra dica: lave muito bem os grãos de arroz e, depois, cozinhe em uma quantidade abundante de água.


O pesquisador recomenda uma lavagem com 12 mudanças de água, que, segundo análises, é capaz de remover mais de 50% do arsênico.

O pesquisador também experimentou um novo método de cozimento, chamado de percolação: em uma cafeteira comum, coloca-se arroz no filtro,permitindo que água fervente, ou quase fervente, escorra muito lentamente pelo arroz. 

A redução do arsênico, por esté método, também ficou acima de 50%.

O pesquisador admite que não espera que os consumidores comecem a cozinhar o arroz em cafeteiras.

Mas torce para que os bons resultados da descoberta inspirem os fabricantes a criar novas máquinas de cozinhar arroz copiando o método.

Uma coisa é certa: o método de preparo mais comum, não lavar ou lavar pouco o arroz para depois cozinhá-lo em uma panela, até que absorva todo o líquido, fixa no alimento todo o arsênico contido nele e na água de cozimento. 

E, para encerrar, nossa dica é que você alterne o consumo de arroz com o de outros grão, como quinoa, amaranto e aveia.

Dessa forma, além de diminuir a ingestão de arsênico, você enriquecerá sua alimentação com nutrientes existentes nos outros cereais.

O arsênico é um produto químico e tóxico encontrado naturalmente no solo e nas águas subterrâneas como parte de um composto inorgânico.

Um grande número de vegetais cultivados contém arsênico, mas em quantidade bem reduzida.

Já o arroz…

Cultivado convencionalmente em arrozais inundados, o cereal absorve mais arsênico do que qualquer outro vegetal. 

Níveis elevados desse produto químico foram associados a diferentes tipos de câncer e a outros problemas de saúde.

Sabe qual é o pior?

É que bilhões de pessoas consomem arroz diariamente.

O resultado é que o arroz coloca na dieta humano mais arsênico que qualquer outro alimento.

A Agência Americana de Alimentos e medicamentos (FDA) garante que os níveis de arsênico no arroz são incapazes de provocar doenças.

Mas você confia?

A gente não.

Aliás, não só nós, um monte de gente.


E o pior é que parece que o nível de contaminação do arroz brasileiro é maior que o do produzido nos Estados Unidos.

É o que indica um estudo realizado pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP.

A análise identificou concentrações expressivas da substância arsênico em diversas variedades de arroz comercializados no país, tais como o tipo branco (polido), o arroz integral (sem polimento) e parboilizado (do inglês partial boiled, ou seja, parcialmente fervido). 

Nas análises, foram constatados níveis moderadamente elevados, na faixa dos 222 nanogramas (ng) de arsênico por grama de arroz, similares a concentrações encontradas em arroz de países como a China. 

“Tal concentração elevada pode contribuir para o desenvolvimento de doenças crônicas, como o câncer”, observa o farmacêutico-bioquímico Bruno Lemos Batista, autor do estudo.

Você consome arroz integral?

Aí vai uma péssima notícia: no estudo, o arroz do tipo integral foi um dos que apresentaram maiores concentrações, pois, em geral, o arsênico pode se acumular no farelo.

Mas calma!

Não entre e desespero nem parta para soluções radicais, como eliminar o arroz da dieta.

Existem técnicas que reduzem a concentração dessa substância química no arroz.

A FDA cita vários estudos que indicam que “lavar arroz completamente até que a água esteja clara (4-6 mudanças de água) reduz o teor total de arsênico em até cerca de 25% a 30%”.

Andrew Meharg, cientista de plantas e solos na Universidade Queen’s em Belfast, no Reino Unido, dá outra dica: lave muito bem os grãos de arroz e, depois, cozinhe em uma quantidade abundante de água.


O pesquisador recomenda uma lavagem com 12 mudanças de água, que, segundo análises, é capaz de remover mais de 50% do arsênico.

O pesquisador também experimentou um novo método de cozimento, chamado de percolação: em uma cafeteira comum, coloca-se arroz no filtro,permitindo que água fervente, ou quase fervente, escorra muito lentamente pelo arroz. 

A redução do arsênico, por esté método, também ficou acima de 50%.

O pesquisador admite que não espera que os consumidores comecem a cozinhar o arroz em cafeteiras.

Mas torce para que os bons resultados da descoberta inspirem os fabricantes a criar novas máquinas de cozinhar arroz copiando o método.

Uma coisa é certa: o método de preparo mais comum, não lavar ou lavar pouco o arroz para depois cozinhá-lo em uma panela, até que absorva todo o líquido, fixa no alimento todo o arsênico contido nele e na água de cozimento. 

E, para encerrar, nossa dica é que você alterne o consumo de arroz com o de outros grão, como quinoa, amaranto e aveia.

Dessa forma, além de diminuir a ingestão de arsênico, você enriquecerá sua alimentação com nutrientes existentes nos outros cereais.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO