- PUBLICIDADE -

Error: Embedded data could not be displayed.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Saúde óssea

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

A saúde óssea é de enorme importância para todas as pessoas, mulheres e homens.

O osso é um tecido metabolicamente ativo. Pelo menos três órgãos são importantes na modulação do metabolismo ósseo: o intestino (absorção de cálcio), o rim (retenção de cálcio) e o próprio osso (remodelagem óssea). Mecanismos homeostáticos, reguladores, que envolvem vitamina D, hormônio paratireoidiano e calcitonina, mantêm constante o nível de cálcio no sangue para provisão adequada de todos os tecidos.

Quando o cálcio sanguíneo cai abaixo de um nível crítico, o cálcio é mobilizado do reservatório ósseo pela ação da vitamina D e do hormônio paratireoidiano. Perda excessiva de cálcio do osso resulta em redução de massa e fragilização da microarquitetura óssea.

Osteoporose

Muitos fatores podem levar ao desenvolvimento de osteoporose, incluindo pico insuficiente de massa óssea alcançado durante a infância, perda óssea excessiva causada por depleção de estrógeno na menopausa, imobilização e insuficiência nutricional. A osteoporose pode até certo ponto ser prevenida, pode ser diagnosticada facilmente, e tratamentos efetivos estão disponíveis.

A nutrição tem um papel essencial na prevenção da osteoporose. A este respeito, vários períodos são críticos na vida de uma mulher:

Infância e puberdade – para atingir o pico de massa óssea, é necessária ingestão nutricional adequada de micronutrientes ósseos.

Gravidez e lactação – é necessária a ingestão nutricional adequada de micronutrientes ósseos.

Menopausa – o estrógeno tem papel crítico na saúde óssea. Na menopausa, as mulheres sofrem uma taxa acelerada de perda óssea. Na década seguinte, isso responde por perdas ósseas trabeculares de 20% a 30% e perdas ósseas corticais de 5% a 10%. A ausência de estrógeno aumenta o turnover ósseo: a taxa de reabsorção óssea ultrapassa a de formação, resultando em perda óssea.

Velhice – fragilidade óssea, talvez já osteoporótica: a recuperação após uma fratura requer micronutrientes e proteína.

Abordagem nutricional para formação e manutenção óssea

A abordagem nutricional para formação e manutenção da massa óssea obedece a dois aspectos: melhorar a ingestão dietética de micronutrientes requerida para a formação óssea e a manutenção dos estoques de minerais no reservatório ósseo; identificar os nutrientes que ajudam a manter um processo de remodelagem óssea saudável, mantendo o equilíbrio entre a formação e a absorção nas células ósseas.

Cálcio – Componente essencial da matriz inorgânica do osso, presente como cristais de hidroxiapatita; dá estrutura e força aos ossos. Presente no queijo, leite, amêndoa e folhas verde-escuras.

Fósforo – Componente essencial da matriz inorgânica do osso, presente como cristais de hidroxiapatita; dá estrutura e força aos ossos. Presente na soja, queijo, pistache, pão integral.

Magnésio – Estabiliza os cristais de hidroxiapatita na matriz óssea, contribuindo para a força e estrutura óssea, e tem papel regulador no turnover ósseo. Presente no feijão, amêndoa, amendoim, arroz integral, pão integral.

Zinco – Cofator essencial para várias enzimas, como a fosfatase alcalina, envolvidas na mineralização óssea e no desenvolvimento da estrutura colagenosa do osso. Presente em sementes de milho, queijo.

Vitamina D – Regulador essencial do cálcio no soro e no osso: aumenta a absorção intestinal de cálcio e sua retenção no rim e promove mineralização da matriz óssea; quando o cálcio da dieta é insuficiente, a vitamina D com o hormônio paratireoidiano mobiliza o cálcio ósseo. Presente na ação da luz solar sobre a pele e em nozes, cogumelos.

Vitamina C – Cofator essencial na hidroxilação de lisina e prolina durante a síntese de colágeno. Presente em frutas e vegetais.

Vitamina K – Necessária para a carboxilação das proteínas da matriz óssea durante a síntese. Presente em couve-de-bruxelas e brócolis.

Os minerais cálcio, fósforo, manganês e zinco e as vitaminas D, C e K são micronutrientes importantes como componentes ósseos ou reguladores do metabolismo ósseo.

Fonte: Medicina Natural (texto adaptado)