Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Romã contra câncer de próstata

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Os homens têm que se preocupar com o câncer de próstata, que tem alto índice de incidência e grau alto de gravidade. Entre os alimentos que ajudam a combater esse mal, está a fruta romã.
Estudos mostram que substâncias presentes na romã têm efeito protetor contra o câncer e as doenças cardiovasculares. A fruta é fonte de fitoquímicos, substâncias encontradas em plantas e responsáveis pelo efeito preventivo contra essas doenças. O alimento tem papel antiproliferativo e anti-inflamatório, contribuindo, principalmente, para que o câncer de próstata não desenvolva novos focos de tumor (metástase) nos ossos.

A romã inibe o desenvolvimento da doença e induz a morte das células cancerígenas na próstata, também conhecidas como PC-3. Por esse motivo, o consumo da fruta consegue diminuir os níveis das enzimas PSA no sangue, que funcionam como sinalizadoras de tumores. Além do câncer, a romã tem papel antioxidante, prevenindo contra danos neurológicos e reduzindo as taxas de colesterol no organismo. Sendo assim, a fruta também funciona como uma aliada à saúde do coração.

Quando a pessoa respira, produz radicais livres. No entanto, o excesso dessas substâncias no organismo causa danos às células corporais, dando origem ao processo de envelhecimento precoce e ao aparecimento do câncer e de doenças cardiovasculares. A única forma de retardar esses males é por meio do aumento do consumo de antioxidantes, como os presentes na romã. Essas substâncias conseguem inativar os radicais livres, protegendo o corpo contra as doenças.

Como consumir

Apesar dos efeitos benéficos, a romã deve ser evitada por quem tem diverticulite (inflamação no intestino grosso). Como possui sementes, elas não são digeridas e chegam inteiras ao organismo, podendo agravar ou facilitar o surgimento de crises inflamatórias. Em vez de consumir a fruta na sua forma natural, o ideal é que esses pacientes optem pelo suco.

Vale lembrar que os estudos não são conclusivos no que diz respeito à quantidade de consumo da fruta. A sugestão é incluir a romã como parte de uma dieta saudável, associada a bons hábitos de vida. A safra da romã ocorre de fevereiro e abril, quando é possível encontrar mais oferta da fruta.

Fonte: Viver com Saúde (texto adaptado)