Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Proteína da banana pode prevenir transmissão sexual da aids

Uma classe de proteína presente nas bananas pode prevenir a transmissão sexual do vírus da aids. É o que revela um estudo da Escola de Medicina da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos.

Segundo os pesquisadores, a lecitina BanLec é um inibidor natural do HIV “tão potente quanto duas das principais drogas utilizadas atualmente no tratamento da doença”.
A pesquisa explica que a BanLec bloqueia a ação do vírus HIV antes que ele possa se fixar às células sanguíneas.
As lecitinas como a BanLec têm despertado interesse cada vez maior dos pesquisadores justamente por serem uma classe de proteína que se liga a carboidratos e é capaz de identificar invasores. Assim, quando um vírus aparece, ela pode ligar-se a ele impedindo a propagação de infecções.
No caso do HIV, a BanLec pode ligar-se à cobertura rica em carboidratos do vírus e bloquear sua propagação no corpo humano.
“O problema com algumas das drogas anti-HIV é que o vírus pode sofrer mutações e tornar-se resistente, mas isso é muito mais difícil na presença das lecitinas. Elas podem se ligar aos carboidratos presentes em diversas partes da cobertura do HIV, e isso presumivelmente exigirá múltiplas mutações para que o vírus consiga livrar-se delas”, explicou Michael Swanson, um dos autores do trabalho.
Essa não seria a única vantagem da BanLec, que seria também mais barata do que os atuais coquetéis antiaids.
Os cientistas de Michigan defendem que a descoberta de novas formas de prevenção e controle da aids são essenciais porque, a cada duas pessoas que adquirem acesso ao tratamento com o coquetel de drogas, cinco contraem o vírus.
“O HIV ainda é rampante nos Estados Unidos e a explosão em países pobres continua a ser um problema sério por causa do tremendo sofrimento humano e do custo para tratar os pacientes”, disse outro autor da pesquisa, David Marvovitz.
Nesse contexto, o uso de um microbicida à base de BanLec, em forma de gel ou creme a ser espalhado nos órgãos sexuais masculino e feminino, pode ser um grande ganho no combate à disseminação da aids.
Mas o grupo de Michigan enfatiza que ainda levará anos até que o uso clínico do BanLec seja possível.
Fonte de pesquisa:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO