Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Potássio reduz risco de infarto

Ingestão de potássio reduz risco de infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral

O consumo de potássio, combinado à redução de sal, provoca melhores efeitos à saúde cardiovascular. A conclusão é resultado de um estudo publicado no “Archives of Internal Medicine”, realizado com 2.974 pacientes pré-hipertensos.

Os pesquisadores analisaram a excreção de sódio e de potássio na urina dos pacientes para estabelecer uma relação entre a ingestão desses minerais e a ocorrência de eventos cardiovasculares relacionados à pressão alta, como infarto e acidente vascular cerebral (AVC). Os melhores resultados foram encontrados ao combinar baixa ingestão de sódio com alto consumo de potássio.

Nesse caso, as chances de o paciente desenvolver algum problema cardiovascular foram até 50% menor. Ao avaliar somente a redução de sódio no organismo (sem aliar a um maior consumo de potássio), os pesquisadores de cinco instituições dos EUA constataram que os participantes com baixa ingestão do mineral tiveram 20% menos risco de sofrer AVC ou infarto.

A importância do potássio

O potássio ajuda a promover a dilatação dos vasos e melhora o fluxo sanguíneo. Além disso, melhora a sensibilidade à insulina, o que pode ajudar pacientes que desenvolveram resistência ao hormônio. As principais fontes de potássio são os alimentos ricos no mineral, como melão e tomate, e os sais que substituem o sal de cozinha convencional, conhecidos no mercado como light.

Há muito tempo se sabe, por meio de extensa literatura médica, que o excesso de sódio retém líquido no organismo, ajuda a formar edemas e enrijece as artérias, facilitando o aparecimento e/ou o agravamento de hipertensão arterial sistêmica, e que hipertensão leve pode ser controlada só com restrição dietética de sal, diminuindo o aparecimento de complicações da doença hipertensiva, como insuficiência cardíaca e renal, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral.

O sódio é elemento essencial ao metabolismo e imprescindível à atividade elétrica celular, além de outras funções. Entretanto, por vício cultural alimentar, ingerimos, sob forma de sal de cozinha, o dobro ou o triplo (8 a 12 gramas por dia) de sódio necessário, que uma dieta equilibrada já fornece a partir do sódio dos alimentos (2 a 4 gramas por dia). A American Heart Association recomenda 2300 miligramas de sódio na dieta diária. No entanto, para as pessoas que já sofrem de pressão arterial alta, de meia idade e idosos e negros recomenda apenas 1500 miligramas por dia. Como corrigir a ingestão excessiva? Reeducando o hábito alimentar ao desprezar o saleiro ou a pipoca salgada. Como visto, só isso é capaz de reduzir em 20% o surgimento de graves consequências cardiovasculares.

Comer uma dieta baixa em sódio não significa que seu alimento tem de ser insípido e que você deve cortar todo o sal na dieta. Existem centenas de maneiras de temperar saudavelmente a alimentação, com vinho, limão, pimenta, frutas e substitutivos do sal de cozinha (cloreto de sódio), abundantes no mercado. A relativa novidade é a potenciação negativa do mesmo risco quando se combina maior ingestão de potássio com redução de sódio.

Sódio e potássio trabalham em união – e com outros minerais –, equilibrando a pressão sanguínea e controlando a contração das fibras musculares, inclusive as do coração, além de manter sob controle o volume de líquidos no organismo. Por seu turno, o potássio é um elemento insubstituível na fisiologia do coração, na geração de energia para a atividade celular, nas contrações musculares e na transmissão de estímulos nervosos.

O relativo aumento da ingestão de potássio induz à troca, pelos rins, de sódio excedente por potássio, com vantagens. Ao contrário do sódio, em proporções adequadas relaxa a musculatura vascular, dilata os vasos, aumenta o fluxo sanguíneo e reduz a pressão arterial, diminuindo o trabalho cardíaco e aumentando a vida útil do coração. Existe muito mais potássio que sódio dentro das células. Por isso, níveis normais de potássio e sódio no sangue circulante são respectivamente de 5,5 e 140 mEq/L.

Assim é que o potássio pode estar normal no sangue e baixo nas células, dificilmente ocorrendo essa desproporção com o sódio. Por isso também a maior ingestão de alimentos ricos em potássio pode fornecer o plus que as células estão necessitando, o que justifica abundante ingestão desse mineral, normalmente presente em banana, tomate, couve, folhas verdes, melão, espinafre, batata e legumes em geral. Lembre-se, entretanto, que equilibrar a dieta não significa hipertrofiá-la.

Autor do texto: Carlos A. M. Gottschall, cardiologista

Alimentos ricos em potássio: damasco, uva-passa, tâmara, amêndoa, ameixa seca, figo seco, castanha-do-pará, melão, banana, abacate, cereja, amora, coco, mamão, figo, uva, feijão, ervilha, lentilha, espinafre, batata, salsa, mandioca, beterraba, cenoura, couve, aipo, couve-flor, milho, brócolis, tomate, nabo, alface, leite, farinha de soja.

Fonte: Aloe Vita (texto adaptado)

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO