A maravilhosa sensação da dança não é segredo para nenhuma cultura.

Com ela, as pessoas podem se expressar, celebrar e adorar.

Quem tem o costume de dançar sabe os benefícios que essa atividade é capaz de causar ao nosso corpo:

- Alivia o estresse

- Une as pessoas

- Melhora a condição física

- Aumenta a elasticidade do corpo

A novidade é que dançar pode simplesmente ser o melhor remédio para fortalecer e proteger nosso cérebro.

Como a quantidade de idosos está ficando maior do que a de jovens, os pesquisadores estão focados no processo de envelhecimento do cérebro humano.

O objetivo é encontrar meios para prevenir e tratar doenças causadas com a chegada da 3º idade, como demência, Alzheimer e Parkinson.

Embora seja do conhecimento da maioria que exercícios físicos são bons para nossa saúde em geral, os cientistas descobriram que a dança, com a música, é incomparável para a mente das pessoas.

Entenda o porquê:

1. Aprendizagem constante

A doutora Kathrin Rehfeld,  do Centro Alemão de Doenças Neurodegenerativas, fez parte de um estudo onde um grupo de voluntários idosos se submeteu a vários exercícios, durante 18 meses.

Enquanto alguns grupos receberam treinamento de resistência e flexibilidade, como caminhada nórdica ou ciclismo, outro grupo recebeu aulas de dança semanais.

Todas as semanas, eles foram desafiados com algo novo, seja um novo gênero de dança, um novo passo ou uma nova rotina.

O resultado é impressionante: todos experimentaram um aumento no centro do cérebro do hipocampo, uma área particularmente vulnerável ao declínio e às doenças relacionadas à idade, mas o grupo da dança experimentou uma diferença muito mais notável.

2. Coordenação e equilíbrio

Manter um bom equilíbrio depois de uma certa idade pode ser bem difícil, por isso tantos idosos acabam caindo e se machucando quando realizam atividades simples.

Na dança, a pessoa realiza movimentos em várias intensidades, treinando áreas específicas do cérebro.

É por isso que os idosos que dançam podem subir ou levantar-se de uma cadeira sem problemas.

Os músculos dos pés e das pernas são fortalecidos, assim como os quadris.

O melhor de tudo é que podemos desenvolver a memória muscular.

Ou seja: quantos mais dançamos, mais desenvolvemos a conexão cerebral- muscular com os neurônios.

danca_-_cerebro.jpg

3. Melhora a memória

Quase todos os idosos sofrem com falta de memória – e essa é uma tendência que promete aumentar depois da Era Tecnológica.

A capacidade de memorizar nomes, datas, lugares e fatos vai sendo perdida com o passar do tempo.

Com a dança, você estará conectando a mente e o corpo, o que acaba estimulando bastante a memória.

4. A música estimula o cérebro

Há algum tempo, cientistas e pesquisadores que estudam doenças neurodegenerativas têm consciência do profundo impacto que a música tem no cérebro, especialmente para aqueles que sofrem de declínio cognitivo.

A doença de Parkinson, por exemplo, pode ter seu impacto reduzido quando o paciente tem contato com a música e com a dança.

5. Faz você feliz

Não importa onde tenha dança - clube, aula, casamento ou concerto -, dificilmente encontraremos alguém num estado melancólico.

Entenda: o movimento espontâneo, independentemente do gênero musical, libera toxinas e hormônios do prazer.

Assim, quem dança, melhora a saúde do coração, dos pulmões, músculos e articulações, além de garantir o bem-estar.

Outra vantagem é que também ajuda a emagrecer de forma divertida, não é mesmo?

A dança, por fim, cria uma conexão física maravilhosa.

Muitos adultos têm dificuldade em se relacionar, mas acaba aprendendo a lidar com isso quando se descobrem dançarinos.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Seção: 

Imagens vistas recentemente

Entre em contato

Queremos receber sua opinião

Se você tem uma crítica, sugestão ou quer nos indicar uma receita/tratamento caseiro, entre em contato conosco

curapelanaturezablog@gmail.com

Continue conectado

Esclarecimento

Este blog tem a finalidade de ajudar, mas não substitui o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico.