Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Pesquisa revela que pacientes de câncer com crenças espirituais têm menos sintomas e reagem melhor ao tratamento

Dr. Franco Bonaguidi, que liderou o estudo, disse que o extenso estudo  constatou que pacientes com “alto envolvimento religioso” que buscaram ativamente “a ajuda de Deus” e confiaram nas suas crenças tiveram uma “sobrevivência mais prolongada do que pacientes com baixa religiosidade”.

Além disso, tinham outros privilégios, como:

– Maior capacidade de executar tarefas diárias

– Mais autocontrole

– Não viviam deprimidos

– Não viviam ansiosos


 Acha pouco?

Essas pessoas também têm melhor convivência com o meio social.

O que podemos concluir com tudo isso é que a crença e a fé nos tornam pessoas melhores.

Estamos falando de três pilares: físico, espiritual e mental.

Isso não é fantástico?

Falar de umas das piores doenças do mundo não é nada fácil.

Imaginamos o sofrimento de milhões de vítimas do câncer espalhadas pelo mundo.

Houve um tempo que nem o nome da doenças as pessoas queriam pronunciar.

– Fulano está com “C-A.”

Era o que se dizia em vez de “Fulano está com câncer”.

No entanto, apesar dos terríveis sintomas, há pessoas que conseguem superar essas adversidades de forma mais fácil.

Um estudo publicado na revista Câncer, da Sociedade Americana do Câncer, diz que pacientes com fortes crenças espirituais reagem melhor ao tratamento e têm menos sintomas.

A fé e força espiritual, apontam estudos recentes, são capazes de combater doenças graves.

Antes que algum cético diga que isso não tem fundamento, a análise foi realizada com 40.000 pacientes.

Percebeu-se que quanto mais forte eram as crenças e a convivência, como frequentar uma igreja ou outros grupos religiosos, melhores resultados eram obtidos.

Pesquisadores da Moffitt Cancer Center, na Flórida, perceberam que os que acreditavam numa força superior tinham mais saúde física e mental do que os incrédulos.


Dr. Franco Bonaguidi, que liderou o estudo, disse que o extenso estudo  constatou que pacientes com “alto envolvimento religioso” que buscaram ativamente “a ajuda de Deus” e confiaram nas suas crenças tiveram uma “sobrevivência mais prolongada do que pacientes com baixa religiosidade”.

Além disso, tinham outros privilégios, como:

– Maior capacidade de executar tarefas diárias

– Mais autocontrole

– Não viviam deprimidos

– Não viviam ansiosos


 Acha pouco?

Essas pessoas também têm melhor convivência com o meio social.

O que podemos concluir com tudo isso é que a crença e a fé nos tornam pessoas melhores.

Estamos falando de três pilares: físico, espiritual e mental.

Isso não é fantástico?

Falar de umas das piores doenças do mundo não é nada fácil.

Imaginamos o sofrimento de milhões de vítimas do câncer espalhadas pelo mundo.

Houve um tempo que nem o nome da doenças as pessoas queriam pronunciar.

– Fulano está com “C-A.”

Era o que se dizia em vez de “Fulano está com câncer”.

No entanto, apesar dos terríveis sintomas, há pessoas que conseguem superar essas adversidades de forma mais fácil.

Um estudo publicado na revista Câncer, da Sociedade Americana do Câncer, diz que pacientes com fortes crenças espirituais reagem melhor ao tratamento e têm menos sintomas.

A fé e força espiritual, apontam estudos recentes, são capazes de combater doenças graves.

Antes que algum cético diga que isso não tem fundamento, a análise foi realizada com 40.000 pacientes.

Percebeu-se que quanto mais forte eram as crenças e a convivência, como frequentar uma igreja ou outros grupos religiosos, melhores resultados eram obtidos.

Pesquisadores da Moffitt Cancer Center, na Flórida, perceberam que os que acreditavam numa força superior tinham mais saúde física e mental do que os incrédulos.


Dr. Franco Bonaguidi, que liderou o estudo, disse que o extenso estudo  constatou que pacientes com “alto envolvimento religioso” que buscaram ativamente “a ajuda de Deus” e confiaram nas suas crenças tiveram uma “sobrevivência mais prolongada do que pacientes com baixa religiosidade”.

Além disso, tinham outros privilégios, como:

– Maior capacidade de executar tarefas diárias

– Mais autocontrole

– Não viviam deprimidos

– Não viviam ansiosos


 Acha pouco?

Essas pessoas também têm melhor convivência com o meio social.

O que podemos concluir com tudo isso é que a crença e a fé nos tornam pessoas melhores.

Estamos falando de três pilares: físico, espiritual e mental.

Isso não é fantástico?
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM