Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Pesquisa prova que podemos saber se uma pessoa está doente só olhando para o rosto dela

Quando estamos doentes, o rosto mostra sinais de que algo não vai bem com nossa saúde.

Segundo cientistas, o ser humano desenvolveu a capacidade de captar sinais sutis do corpo de outras pessoas, a fim de evitar ser contaminado por determinadas doenças.

Ou seja, para os estudiosos, esse comportamento é resultado de uma evolução.

A conclusão veio a partir de uma pesquisa que dividiu voluntários em dois grupos.

O primeiro, formado por 22 pessoas, receberia a bactéria E.coli ou um simples placebo.

O segundo, composto por 49 pessoas, deveria tentar identificar alguma diferença física entre o momento que o primeiro grupo se apresenta à pesquisa, e alguns dias depois de receberem a bactéria ou o placebo.

A maioria conseguiu perceber que depois da contaminação pela bactéria, o primeiro grupo de voluntários apresentou pálpebras e bocas caídas, expressões faciais negativas e até mudança no humor.

Entenda como foi o passo a passo da pesquisa:  

  1. Os cientistas injetaram em alguns voluntários a bactéria E.coli, e em outros um placebo.
  • Duas horas depois, essas pessoas foram convidadas a relaxar para que fossem fotografadas.  
  • Três ou quatro dias depois, quem recebeu a bactéria acabou recebendo um placebo. E quem antes havia recebido o placebo, recebeu a bactéria.
  • Mais uma vez, passado o tempo de duas horas, novas fotos foram tiradas.
  • Assim, os pesquisadores colocaram as fotos do “antes” e do “depois” lado a lado, a fim de descobrir se o segundo grupo de voluntários conseguiria identificar em qual foto as pessoas contaminadas ainda estava saudável.

Trouxemos duas das fotos utilizadas na pesquisa.

Você consegue perceber em qual delas a pessoa está contaminada?

A pesquisa foi realizada pelo Instituto Karolinska, em Estocolmo, e liderada por Georgia Sarolidou, uma doutoranda no Departamento de Neurociência Clínica e Olfação Humana.

A estudante acredita que evitar pessoas doentes é crucial para combater a disseminação de infecções.

O desenvolvimento da pesquisa foi publicado na revista Brain Behavior and Immunity.

Vamos voltar ao teste!

Não sabemos se você percebeu, mas a primeira foto mostra a pessoa ainda saudável.

A segunda, por outro lado, apresenta palidez e uma expressão mais abatida.

É isso que doenças contagiosas fazem: mudam o humor, causam fadiga e até nos deixam com uma aparência mais “enjoada”.

Depois que essas pessoas receberam a bactéria, submeteram-se a um exame de sangue para que fossem avaliados os níveis de inflamação e como a imunidade de cada uma reagia diante da infecção.

Ou seja, mesmo recebendo a mesma bactéria, cada corpo reagiu de uma forma, e isso também pôde ser notado pelo segundo grupo de voluntários.

As 49 pessoas que ficaram de avaliar as fotos, deveriam marcar, numa escala de 0 a 5, o quanto elas entendiam que cada voluntário do primeiro grupo aparentava estar doente.

Isto é, “zero” para indicar um rosto saudável, e “cinco” para indicar um rosto muito doente.

A pesquisa também analisou as emoções dos participantes, como: felicidade, medo e raiva.

Essas expressões foram captadas a partir da medição que os pesquisadores fizeram dos olhos, e da inclinação da boca dos voluntários.

Uma suspeita foi comprovada: quando os pacientes estavam doentes, demonstraram uma aparência de enjoo, nojo, que não havia antes de receberam a bactéria.  

Para você ter ideia, estudos sugerem que podemos ativar nosso sistema imunológico só em observar um ambiente repugnante, como banheiro sujo.

Isso não é incrível?

É como se o corpo se preparasse para uma possível ameaça de infecção.

É possível também que nós, humanos, tenhamos evoluído nossos comportamentos emocionais negativos quando estamos doentes, a fim de que os outros percebam e mantenham distância.

Outra descoberta interessante foi que os voluntários doentes não conseguiram se expressar com surpresa ou interesse.

O que tudo indica é que essa perda de ânimo pelas coisas ao redor do mundo está relacionada à ação do sistema imunológico.

Isto é, quando ele está trabalhando para combater alguma infecção dentro do nosso corpo, emitimos um sinal de alerta para que outras pessoas nos evitem e não sejam contaminadas.

Mais estudos devem ocorrer em cima deste assunto, principalmente com ênfase em pessoas mais velhas, que já têm tendência a bocas e olhos caídos.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM