Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Parece uma inofensiva joaninha, mas sua picada pode até nos matar

Esta espécie de joaninha virou uma perigosa predadora da natureza e sua picada pode até matar seres humanos.

Se existe um inseto que não incomoda ou causa repulsa nas pessoas é a joaninha.

Pelo contrário, com seu tom avermelhado e suas simpáticas bolinhas pretas, ela encanta crianças e adultos.

Mas você já percebeu que é cada vez mais raro avistar um bichinho desses voando entre folhas e flores, e mesmo dentro das nossas casas? 

É que essa joaninha vermelha, ‘’tradicional’’, está de fato desaparecendo.

Aquelas que os moradores, principalmente de São Paulo têm visto, por exemplo, são bastante diferentes.

A cor é mais alaranjada, bege e até preta.

Elas são maiores e têm as bolinhas com contorno pouco definido.

Não ficam apenas dentro dos vasinhos de plantas, se alimentando de pulgões e de outras pragas típicas de hortas e plantações, mas também estão presentes dentro das casas. 

Essa ‘’nova’’ joaninha é uma espécie invasora asiática que veio para o Brasil nos anos 2000 de forma totalmente acidental.

A gente explica: no início dos anos 1990, a Harmonia Axyridis (joaninha asiática) foi levada para Mendoza, na Argentina, como instrumento de combate de pragas agrícolas.

O objetivo era fazer controle biológico dessas pragas em plantações de pêssego.

No Brasil, ela chegou pela primeira vez em Curitiba, provavelmente com alguma muda de planta.

Entre 2002 e 2018, “subiu” do Paraná a São Paulo e já foi vista em Brasília.

O problema é que a joaninha asiática prolifera rapidamente, provocando o desalojamento de espécies nativas por onde passa.

Incrível, não é?

E a velocidade com que ela prolifera não deve ser ignorada, não.

Em apenas cinco anos, já somava mais de 90% entre as oito espécies de joaninhas pesquisadas no Paraná, incluindo a Cycloneda sanguinea, uma das mais comuns no país.

Além da joaninha asiática se alimentar dos afídeos (pulgões ou piolhos-das-plantas), ela come uma enorme variedade de frutas e pólen que não são consumidos pelas outras espécies de Coccinellidae, a família das joaninhas.

Por isso, a joaninha asiática conseguiu se adaptar muito bem no continente.

E segundo o entomologista americano Robert Koch, da Universidade de Minnesota, a América do Sul é um dos últimos territórios de conquista da Harmonia axyridis no planeta.  

A área nativa de incidência do inseto se estende do sul da Sibéria, na Rússia, passando pela Coreia e Japão, e vai até a China.

O primeiro registro da presença da joaninha asiática no Ocidente foi na Califórnia, em 1916.

Nos anos 90, depois de já ter ‘’invadido’’ praticamente todos os Estados americanos, foi levada para a Europa.

Foi considerada espécie invasora também na África do Sul, em 2000, e em 2010, foi vista pela primeira vez no Quênia.

Em um estudo, os biomas da América do Sul foram comparados por Koch com as condições climáticas das regiões nativas da joaninha asiática.

A ideia era tentar antecipar o potencial de dispersão do inseto no continente.

Depois de realizar o estudo, o entomologista americano descobriu que o norte da Argentina e o centro-sul do Brasil eram regiões onde a joaninha tinha maiores condições de se estabelecer, além das áreas montanhosas do Chile, Bolívia e Peru.

Mas, nestas regiões, ela aparentemente ainda não chegou.

Outra espécie de joaninha importada da Ásia é ainda mais ameaçadora.

Harlequin succinea se alimenta de várias outras espécies de insetos, inclusive de larvas de outras joaninhas, e frutos.

A joaninha-arlequim foi levada à Europa para ajudar no controle de pragas de outros insetos. 

No entanto, mais uma vez o experimento deu errado.

A joaninha se reproduziu de uma forma avassaladora e passou a ser predadora de mais de mil espécies — entre elas, 45 joaninhas nativas da Grã-Bretanha.

Pior do que isso: passou a ameaçar a saúde dos seres humanos.

Que o diga o halterofilista inglês Reza Rezamand, de 31 anos.

Após sofrer uma picada da joaninha-arlequim, sua vida ficou por um fio e ele chegou a ouvir de médicos que tinha apenas 30% de chances de sobreviver a uma infecção causada pelo inseto que até então era considerado inofensivo.

Segundo publicou o jornal inglês The Sun, Rezamand estava saindo de sua loja de suplementos, na cidade de Stoke-On-Trent, na Inglaterra, quando foi atacado por três joaninhas-arlequim.

O halterofilista declarou ao The Sun:

“Não senti nada diferente até perceber que meu pé estava inchado naquela mesma noite”.

Ao se dirigir ao hospital, seu quadro começou a piorar.

Mesmo com antibióticos, os pés do fisiculturista de 1,82m, estavam com o dobro de tamanho menos de 24h depois da picada.

Rezamand ignorou os primeiras sintomas da infecção, mas isso quase lhe custou a vida:

“Tive sorte por ter sobrevivido”.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

VEJA TAMBÉM

DEIXE SEU COMENTÁRIO

PUBLICIDADE