- PUBLICIDADE -

Error: Embedded data could not be displayed.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Para este cientista, não existe vírus da aids e tudo não passa de uma farsa

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email




O livro “Aids — Verdade e mito, histórias e fatos”, do dr. Jacyr Pasternak, mostra estudos que comprovam a veracidade da tese do professor Duesberg, de que a teoria do vírus é uma farsa inventada e mantida, até hoje, por cientistas ligados a laboratórios multinacionais.



A história da AIDS, conforme o livro, começa em 1981, quando o Dr. Gottlieb, de Los Angeles, passou a observar um considerável número de ocorrências de pneumonia grave, fatais, aliadas a um câncer dos vasos sangüíneos que parecia atingir exclusivamente homossexuais masculinos e, em particular, uma subpopulação desse grupo, denominada fast lane.

Os homossexuais desse grupo chegavam a ter de 1.500 a 2.000 parceiros por ano, o que representa, no mínimo, 4 a 5 relações sexuais por dia.

Considerando o desgaste das excessivas relações sexuais (ainda maior no caso homossexual), aliado aos hábitos deploráveis desse grupo em relação à saúde (vida noturna, má alimentação, uso de drogas injetáveis, álcool, cigarro, etc.), pode-se deduzir a que lastimável estado de degradação física chegavam essas pessoas e o quanto estavam debilitados seus sistemas imunológicos.

Muitos chegavam à fase terminal sem se absterem de seus hábitos.

Outro quadro de deficiência imunológica foi observado em indivíduos da população subnutrida da África e do Haiti.

Casos de imunodeficiência, juntamente com a doença que a acompanhava, eram facilmente diagnosticados, por apresentarem sinais e sintomas típicos e, na maioria das vezes, mesmo na fase aguda, evoluíam para a cura espontânea, com ou sem qualquer tratamento.

Esses relatos fazem parecer óbvio que a síndrome de deficiência imunológica era causada por um desgaste excessivo do organismo, provocado por hábitos que degradam a saúde, ou um “problema comportamental”, termo usado pelo professor Duesberg. 

Todavia, como conta o dr. Jacyr Pasternak: “Naquele momento ninguém sabia muito bem qual a causa da moléstia” (isso é incrível!), então, continua ele, “o Center for Disease Control (órgão de vigilância epidemiológica americano) convoca seus pesquisadores e demais sumidades interessadas no assunto, tentando juntar as informações e coordenar as pesquisas”. 

Foi no fim de 1983 que, quase ao mesmo tempo, pesquisadores franceses e o grupo do dr. Robert Gallo, dos Estados Unidos, “inventaram” o vírus da AIDS. 

Pouco depois, surgem os kits de testes, o AZT e outros medicamentos que dão início à indústria da AIDS.

São mais de 20 anos de controvérsias que propiciaram a formação de uma fortuna incalculável e que causaram milhares de mortes.

Atualmente, pouco ou nada mudou.

O QUE DIZ A OPINIÃO DOMINANTE 

O consenso da maior parte da comunidade científica é de que a hipótese de Duesberg deve ser refutada pelas evidências de que o vírus da aids representa uma grande ameaça para a humanidade.

Entretanto, sabe-se que mais de 80% das pesquisas sobre a aids são financiadas pelos próprios laboratórios da indústria farmacêutica que fabrica a medicação anti-HIV.

Diante da falta de entendimento entre os cientistas, o ideal é que as pessoas continuem tomando as recomendações necessárias para não adquirir o “vírus” (?) e cuidem de fortalecer a imunidade, a chave para evitar muitos problemas de saúde. 

Você já ouviu falar do professor Peter Duersberg?

Ele é um biólogo da Universidade da Califórnia que tem uma tese muito polêmica.

Segundo o professor, não existe vírus da aids e a doença é na verdade provocada por um desgaste excessivo do organismo, proporcionado por comportamento que degrada a saúde e causa uma superqueda na imunidade. 

Pela tese do professor Duersberg, com exceção dos hemofílicos, que adquirem a imunodeficiência por hereditariedade, pessoas que normalmente não cuidam da saúde, como bôemios, prostitutas, presidiários, etc., estão coerentemente vinculados a um “grupo de risco”, por terem, em comum, maus hábitos comportamentais em relação à saúde, podendo levá-los a adquirir a aids. 

E o fato de a epidemia de aids ser maior nos países na África, onde a população é predominantemente subnutrida, não seria por acaso pela teoria do biólogo.

Alguns homossexuais, por uma infeliz coincidência, também têm uma vida desregrada em relação a cuidados com a saúde (alimentação ruim, falta de exercícios, noites maldormidas).

E por isso eles também ficam predispostos à aids e a qualquer outra doença.

Segundo o professor , existe uma indústria da aids que, além de impedir a divulgação da verdade, alimenta o terror pela doença com a intenção de ampliar a venda de seus produtos.

Alemão radicado nos Estados Unidos, biólogo molecular da Universidade da Califórnia, o professor Peter Duesberg era considerado por seus colegas um dos maiores virologistas do mundo e foi eleito, em 1986, para uma seleta cadeira na Academia Nacional de Ciências americana. 

No ano seguinte, após tornar pública a sua tese, perdeu a dotação da verba de pesquisador emérito (da ordem de 500 mil dólares anuais ) e colocou em risco sua reputação e carreira.

Atualmente, passa metade do ano na Alemanha e, apesar de ter perdido o financiamento para suas pesquisas, conta com o apoio de mais de 600 cientistas de vários países (inclusive o de Kary Mullis, Prêmio Nobel de Química em 1993), que acreditam não existirem provas suficientes para atribuir a causa da AIDS a um vírus.

O professor Duesberg mantém as mesmas posições em relação à sua tese, desde o final dos anos 80 e possui hoje uma página na internet (www.duesberg.com).


Em parceria com seu colega David Rasnick, publicou um artigo na revista Continuum, em 1997, no qual ambos afirmam que as drogas anti-HIV, como o AZT, prejudicam a reprodução das células do sistema imunológico — o que explica o fato de pessoas com imunodeficiência não evoluírem para a cura espontânea e o de portadores do HIV, que também consomem esses medicamentos, desenvolverem a síndrome.

Assista ao vídeo abaixo, que é um debate muito interessante entre o professor Peter Duesberg e outros cientistas.

Depois, continuaremos com mais informações.




O livro “Aids — Verdade e mito, histórias e fatos”, do dr. Jacyr Pasternak, mostra estudos que comprovam a veracidade da tese do professor Duesberg, de que a teoria do vírus é uma farsa inventada e mantida, até hoje, por cientistas ligados a laboratórios multinacionais.



A história da AIDS, conforme o livro, começa em 1981, quando o Dr. Gottlieb, de Los Angeles, passou a observar um considerável número de ocorrências de pneumonia grave, fatais, aliadas a um câncer dos vasos sangüíneos que parecia atingir exclusivamente homossexuais masculinos e, em particular, uma subpopulação desse grupo, denominada fast lane.

Os homossexuais desse grupo chegavam a ter de 1.500 a 2.000 parceiros por ano, o que representa, no mínimo, 4 a 5 relações sexuais por dia.

Considerando o desgaste das excessivas relações sexuais (ainda maior no caso homossexual), aliado aos hábitos deploráveis desse grupo em relação à saúde (vida noturna, má alimentação, uso de drogas injetáveis, álcool, cigarro, etc.), pode-se deduzir a que lastimável estado de degradação física chegavam essas pessoas e o quanto estavam debilitados seus sistemas imunológicos.

Muitos chegavam à fase terminal sem se absterem de seus hábitos.

Outro quadro de deficiência imunológica foi observado em indivíduos da população subnutrida da África e do Haiti.

Casos de imunodeficiência, juntamente com a doença que a acompanhava, eram facilmente diagnosticados, por apresentarem sinais e sintomas típicos e, na maioria das vezes, mesmo na fase aguda, evoluíam para a cura espontânea, com ou sem qualquer tratamento.

Esses relatos fazem parecer óbvio que a síndrome de deficiência imunológica era causada por um desgaste excessivo do organismo, provocado por hábitos que degradam a saúde, ou um “problema comportamental”, termo usado pelo professor Duesberg. 

Todavia, como conta o dr. Jacyr Pasternak: “Naquele momento ninguém sabia muito bem qual a causa da moléstia” (isso é incrível!), então, continua ele, “o Center for Disease Control (órgão de vigilância epidemiológica americano) convoca seus pesquisadores e demais sumidades interessadas no assunto, tentando juntar as informações e coordenar as pesquisas”. 

Foi no fim de 1983 que, quase ao mesmo tempo, pesquisadores franceses e o grupo do dr. Robert Gallo, dos Estados Unidos, “inventaram” o vírus da AIDS. 

Pouco depois, surgem os kits de testes, o AZT e outros medicamentos que dão início à indústria da AIDS.

São mais de 20 anos de controvérsias que propiciaram a formação de uma fortuna incalculável e que causaram milhares de mortes.

Atualmente, pouco ou nada mudou.

O QUE DIZ A OPINIÃO DOMINANTE 

O consenso da maior parte da comunidade científica é de que a hipótese de Duesberg deve ser refutada pelas evidências de que o vírus da aids representa uma grande ameaça para a humanidade.

Entretanto, sabe-se que mais de 80% das pesquisas sobre a aids são financiadas pelos próprios laboratórios da indústria farmacêutica que fabrica a medicação anti-HIV.

Diante da falta de entendimento entre os cientistas, o ideal é que as pessoas continuem tomando as recomendações necessárias para não adquirir o “vírus” (?) e cuidem de fortalecer a imunidade, a chave para evitar muitos problemas de saúde.