Paixão pelos gatos aquece economia do Japão

Foto: Reprodução / Katsuhiro Miyamoto

Estudo revela que gastos com gatos movimentaram mais de R$ 77 bilhões em 2021 no Japão.

A pandemia da COVID-19 no Japão levou a um aumento recorde no número de gatos de estimação, e essa paixão pelos felinos está ajudando a aquecer a economia do país. 

Um estudo realizado pelo professor emérito da Universidade de Kansai, Katsuhiro Miyamoto, revela que a “nekonomics”, ou os efeitos econômicos dos gatos, movimentou cerca de R$ 77 bilhões em 2021.

O estudo levou em conta os gastos com alimentação, produtos essenciais e cuidados veterinários, bem como os empreendimentos gerados pela paixão japonesa pelos felinos. 

Mesmo aqueles que não possuem um animal de estimação em casa frequentam cafeterias temáticas e pontos turísticos, como as ilhas conhecidas pela concentração de felinos, apenas para fotografar e tocar nos bichanos.

A popularidade dos gatos no Japão tem seguido uma tendência crescente há mais de duas décadas, segundo a Japan Pet Food Association. A pandemia só aumentou ainda mais esse interesse quando as pessoas se viram obrigadas a ficar isoladas em casa. 

Em 2021, a população de gatos no país atingiu um recorde de aproximadamente 8,94 milhões, superando a população de cachorros.

O professor Miyamoto multiplicou esse contingente pela média mensal de gastos com alimentação e cuidados básicos de um animal, e chegou ao total anual de R$ 36,5 bilhões. A esse valor, ele adicionou o efeito cascata de toda a cadeia e o que foi gerado pelo turismo doméstico felino, chegando ao total de mais de R$ 77 bilhões.

Embora a flexibilização das medidas de combate ao coronavírus e os recentes aumentos de preço de uma série de produtos e da tarifa de energia no país possam impactar na “nekonomics”, é certo que haverá um número crescente de apaixonados por animais de estimação no Japão, sendo a escolha entre cães e gatos baseada principalmente no espaço e tempo disponíveis para os cuidados.