Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Os perigos do micro-ondas

E para terminar…

Muitos, quando leem este post, dizem que a informação não procede. Será mesmo? O forno de micro-ondas não é a forma mais saudável de preparar as refeições. Mesmo que não haja vazamentos de radiação, alguma alteração ele produz nas moléculas dos alimentos. Pode ter certeza disso. 


Há mais de uma década os fornos de micro-ondas são utilizados para o preparo de alimentos em restaurantes e também no uso doméstico. O preparo mais rápido das refeições, conforto e simplicidade são argumentos de venda. Junto com recomendações científicas, diversos livros de receitas culinárias promovem essa técnica e auxiliam a venda. 

O forno de micro-ondas é consequência do uso técnico de micro-ondas durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). 
Os nazistas foram os inventores do forno de micro-ondas. Por ser esse forno capaz de preparar refeições em larga escala, o problema logístico de combustível para cozinhar teria sido eliminado, assim como a conveniência de preparar produtos comestíveis em pouquíssimo tempo.

Após a guerra, os aliados descobriram uma pesquisa médica feita pelos alemães sobre o forno de microondas. Esses documentos, junto com outros estudos sobre esse tipo de forno, foram transferidos ao Departamento de Guerra Americano para  “suplementar investigação científica“. Os russos também tinham feito uma pesquisa completa sobre os efeitos biológicos do forno de micro-ondas. Como resultado, seu uso foi proibido na União Soviética em 1976. No mesmo ano, os soviéticos emitiram um alerta internacional sobre os riscos para a saúde, tanto biológico como ambiental, do forno de micro-ondas.

Como foi constatado que a micro-onda é prejudicial – sobretudo seu efeito térmico sobre o sistema biológico –, existem valores que limitam o risco de vazamentos da irradiação do forno de micro-ondas. Mas a qualidade, em termos de sabor, da comida aquecida no forno de micro-ondas não é contestada. Para muitos, não é melhor nem pior do que aquela cozida de maneira convencional.


Ação das micro-ondas sobre sistemas vivos

O espectro das micro-ondas vai desde as ondas de rádio até as ondas curtas infravermelhas. As micro-ondas abrangem o rádio, a televisão, o radar, os satélites, os telefones sem fio, instalações militares e também os fornos de micro-ondas.

Os efeitos destrutivos afetam as membranas celulares, a divisão celular, os glóbulos vermelhos do sangue. Podem provocar leucemia, alterações genéticas e chegam até a paralisação total dos ciclos naturais.

A micro-onda tecnicamente produzida baseia-se no princípio da corrente alternada. Matéria – átomos, molécula ou célula de um sistema orgânico que possa resistir a tamanha força destrutiva por muito tempo. Estruturas moleculares se rompem, moléculas são transformadas em isômeros e assumem outras qualidades.

O movimento caótico de oscilações provoca atrito entre as moléculas e produz calor. No aquecimento convencional sobre o fogo ou no fogão, o calor parte de fora para dentro. O aquecimento provocado pelas micro-ondas parte de dentro para fora – começa principalmente onde existe água e o atrito transforma as energias em calor. Como a planta, o animal e o homem são compostos em até 80% por água, não é difícil imaginar os riscos biológicos das micro-ondas.

Contrário à micro-onda técnica, a irradiação de micro-ondas do Sol baseia-se no princípio da corrente contínua. Ela não provoca atrito na matéria.

Células são rompidas


Ao lado do efeito térmico das micro-ondas, ocorre ainda outro efeito que, porém, não se pode medir como o efeito térmico: estruturas moleculares são rompidas, deformadas e despojadas de suas funções naturais.

As células são rompidas e a tensão entre o espaço interno e o espaço externo da célula é anulada. Uma célula afetada dessa forma torna-se presa fácil de vírus e fungos. A agressão contínua suprime os mecanismos de reparo, a célula é obrigada a passar à respiração anaeróbica. Em lugar de H2O e CO2 (respiração aeróbica), são produzidos também os gases venenosos H2O2 e CO, como na célula cancerosa. Por isso é tão perigoso um vazamento do forno de micro-ondas. 

Sabemos que todos esses fornos apresentam permeabilidade (deixam vazar radiação) e, com o passar do tempo, tornam-se mais permeáveis. 

Vamos repetir:

Sabemos que todos esses fornos apresentam permeabilidade (deixam vazar radiação) e, com o passar do tempo, tornam-se mais permeáveis”.

As micro-ondas prejudicam as funções naturais de todos os sistemas vivos. Elas afetam a pele exposta, os olhos, os pulmões (na inspiração de ar irradiado) e também os alimentos irradiados. 


A fuga de micro-ondas, mesmo quando em quantidade tolerada pelo corpo humano, representa um risco à saúde.

Pesquisas feitas nos Estados Unidos consideram que a exposição à radiação desse forno, mesmo em baixo nível, pode ter efeitos cumulativos aos olhos, podendo provocar catarata.

As pesquisas também fazem menções quanto a uma possível ligação com o câncer.


Como se proteger

O ideal é não usar esse aparelho.

Mas, se você não quer abrir mão dele, uma boa dica é não ficar muito próximo do forno enquanto ele estiver ligado.

E, para quem o utiliza com bastante frequência, deve-se colocar uma maçã sobre o aparelho.

Se a fruta começar a deteriorar-se rapidamente, é porque está havendo vazamento de radiação.

E para terminar…

Muitos, quando leem este post, dizem que a informação não procede. Será mesmo? O forno de micro-ondas não é a forma mais saudável de preparar as refeições. Mesmo que não haja vazamentos de radiação, alguma alteração ele produz nas moléculas dos alimentos. Pode ter certeza disso. 


Há mais de uma década os fornos de micro-ondas são utilizados para o preparo de alimentos em restaurantes e também no uso doméstico. O preparo mais rápido das refeições, conforto e simplicidade são argumentos de venda. Junto com recomendações científicas, diversos livros de receitas culinárias promovem essa técnica e auxiliam a venda. 

O forno de micro-ondas é consequência do uso técnico de micro-ondas durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). 
Os nazistas foram os inventores do forno de micro-ondas. Por ser esse forno capaz de preparar refeições em larga escala, o problema logístico de combustível para cozinhar teria sido eliminado, assim como a conveniência de preparar produtos comestíveis em pouquíssimo tempo.

Após a guerra, os aliados descobriram uma pesquisa médica feita pelos alemães sobre o forno de microondas. Esses documentos, junto com outros estudos sobre esse tipo de forno, foram transferidos ao Departamento de Guerra Americano para  “suplementar investigação científica“. Os russos também tinham feito uma pesquisa completa sobre os efeitos biológicos do forno de micro-ondas. Como resultado, seu uso foi proibido na União Soviética em 1976. No mesmo ano, os soviéticos emitiram um alerta internacional sobre os riscos para a saúde, tanto biológico como ambiental, do forno de micro-ondas.

Como foi constatado que a micro-onda é prejudicial – sobretudo seu efeito térmico sobre o sistema biológico –, existem valores que limitam o risco de vazamentos da irradiação do forno de micro-ondas. Mas a qualidade, em termos de sabor, da comida aquecida no forno de micro-ondas não é contestada. Para muitos, não é melhor nem pior do que aquela cozida de maneira convencional.


Ação das micro-ondas sobre sistemas vivos

O espectro das micro-ondas vai desde as ondas de rádio até as ondas curtas infravermelhas. As micro-ondas abrangem o rádio, a televisão, o radar, os satélites, os telefones sem fio, instalações militares e também os fornos de micro-ondas.

Os efeitos destrutivos afetam as membranas celulares, a divisão celular, os glóbulos vermelhos do sangue. Podem provocar leucemia, alterações genéticas e chegam até a paralisação total dos ciclos naturais.

A micro-onda tecnicamente produzida baseia-se no princípio da corrente alternada. Matéria – átomos, molécula ou célula de um sistema orgânico que possa resistir a tamanha força destrutiva por muito tempo. Estruturas moleculares se rompem, moléculas são transformadas em isômeros e assumem outras qualidades.

O movimento caótico de oscilações provoca atrito entre as moléculas e produz calor. No aquecimento convencional sobre o fogo ou no fogão, o calor parte de fora para dentro. O aquecimento provocado pelas micro-ondas parte de dentro para fora – começa principalmente onde existe água e o atrito transforma as energias em calor. Como a planta, o animal e o homem são compostos em até 80% por água, não é difícil imaginar os riscos biológicos das micro-ondas.

Contrário à micro-onda técnica, a irradiação de micro-ondas do Sol baseia-se no princípio da corrente contínua. Ela não provoca atrito na matéria.

Células são rompidas


Ao lado do efeito térmico das micro-ondas, ocorre ainda outro efeito que, porém, não se pode medir como o efeito térmico: estruturas moleculares são rompidas, deformadas e despojadas de suas funções naturais.

As células são rompidas e a tensão entre o espaço interno e o espaço externo da célula é anulada. Uma célula afetada dessa forma torna-se presa fácil de vírus e fungos. A agressão contínua suprime os mecanismos de reparo, a célula é obrigada a passar à respiração anaeróbica. Em lugar de H2O e CO2 (respiração aeróbica), são produzidos também os gases venenosos H2O2 e CO, como na célula cancerosa. Por isso é tão perigoso um vazamento do forno de micro-ondas. 

Sabemos que todos esses fornos apresentam permeabilidade (deixam vazar radiação) e, com o passar do tempo, tornam-se mais permeáveis. 

Vamos repetir:

Sabemos que todos esses fornos apresentam permeabilidade (deixam vazar radiação) e, com o passar do tempo, tornam-se mais permeáveis”.

As micro-ondas prejudicam as funções naturais de todos os sistemas vivos. Elas afetam a pele exposta, os olhos, os pulmões (na inspiração de ar irradiado) e também os alimentos irradiados. 


A fuga de micro-ondas, mesmo quando em quantidade tolerada pelo corpo humano, representa um risco à saúde.

Pesquisas feitas nos Estados Unidos consideram que a exposição à radiação desse forno, mesmo em baixo nível, pode ter efeitos cumulativos aos olhos, podendo provocar catarata.

As pesquisas também fazem menções quanto a uma possível ligação com o câncer.


Como se proteger

O ideal é não usar esse aparelho.

Mas, se você não quer abrir mão dele, uma boa dica é não ficar muito próximo do forno enquanto ele estiver ligado.

E, para quem o utiliza com bastante frequência, deve-se colocar uma maçã sobre o aparelho.

Se a fruta começar a deteriorar-se rapidamente, é porque está havendo vazamento de radiação.

E para terminar…

Muitos, quando leem este post, dizem que a informação não procede. Será mesmo? O forno de micro-ondas não é a forma mais saudável de preparar as refeições. Mesmo que não haja vazamentos de radiação, alguma alteração ele produz nas moléculas dos alimentos. Pode ter certeza disso. 

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO