Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Os 10 vegetais mais contaminados por agrotóxicos

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Os países do Terceiro Mundo são os principais mercados para a indústria de defensivos agrícolas. 

O Brasil, por exemplo, é um dos maiores consumidores de agrotóxicos  no mundo, movimentando US$ 2,5 bilhões ao ano, com um volume de 250 mil toneladas de produtos utilizados. 


Existem no mundo 20 grandes indústrias do setor, das quais 8 atuam no Brasil

Nos países desenvolvidos é diferente, porque as restrições ao uso de agrotóxicos são mais severas. Não é para menos: os habitantes são bem-informados e escolarizados.

Só para se ter uma idéia da grandeza do problema, no ano passado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) analisou, em vários Estados brasileiros, dez vegetais, a fim de saber os níveis de agrotóxico.

O pimentão e a uva (ver relação abaixo) são os alimentos que mais apresentaram amostras irregulares em relação a resíduos de agrotóxicos.

As hortaliças e frutas continham resíduos de agrotóxicos com a função de INSETICIDAS, ACARICIDAS e FUNGICIDAS. 

No meio ambiente os resíduos de agrotóxicos contaminam o solo e a água dos açudes e rios, além de animais.

Nos seres humanos, pode afetar a saúde do aplicador do produto e do consumidor.

Existe comprovação de que alguns pesticidas provocam doenças autoimunes, como lúpus, alergias, câncer e doenças neurológicas.

Diante de tantas evidências, por que será que não se investe pesadamente em agricultura orgânica? 

Simples: porque aos grandes laboratórios não interessa a saúde da população.

O que importa é o LUCRO. 

Veja agora os dez vegetais mais contaminados e a porcentagem, entre parênteses, de amostras contaminadas:

– Pimentão (80,0%)

– Uva (56,40%)

– Pepino (54,80%)

– Morango (50,80%)

– Couve (44,20%)

– Abacaxi (44,10%)

– Mamão (38,80%)

– Alface (38,40%)

– Tomate (32,60%)

– Beterraba (32,00%)

DEIXE SEU COMENTÁRIO