Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Óleo de canola – veneno disfarçado de alimento

Atenção!

Se você consome óleo de canola, leia este texto até o fim.

E, mesmo se não consumir, leia-o e compartilhe esta informação muito importante.

As principais fontes deste artigo são os médicos Lair Ribeiro e Victor Sorrentino.

Vamos começar com uma reflexão.

O azeite de oliva é extraído de azeitonas.
O óleo de girassol vem das sementes de girassol.

O de milho vem dos grãos desse cereal.
E o óleo de canola vem de quê?


“Canola” é, na realidade, uma palavra inventada para um produto geneticamente modificado, ou seja, transgênico.
A palavra vem de CANadian Oil Low Acid – CAN.O.L.A.
É infelizmente uma invenção canadense subsidiada pelo governo daquele país.
Os subsídios tornam o produto muito barato, por isso hoje quase todos os alimentos processados ou embalados contém óleo de canola.
Comece a ler os rótulos e checar os ingredientes.
Havendo óleo de canola, fique longe do produto.
O óleo de canola é desenvolvido a partir de uma planta chamada colza, que pertence à família da mostarda.
O óleo de colza tem sido utilizados para fins industriais (velas, batons, sabonetes, tintas, lubrificantes e biocombustível).
É um óleo industrial, e não um alimento!
Ele é a fonte por trás do gás mostarda, que pode causar enfisema, dificuldade respiratória, anemia, constipação, irritabilidade e cegueira.
Mas, graças ao “milagre” da modificação genética, a indústria vende este óleo como uma óleo comestível.
A indústria afirma que a canola é segura para consumo sob a alegação de que, depois da modificação genética, ela deixa de ser colza, e passar a ser canola.
A canola, contudo, é apenas a colza geneticamente modificada.
O óleo de canola passou a ser comercializado como um óleo maravilhoso, com baixos níveis de gorduras saturadas e com um ótimo aporte de ômega 3.
No entanto, por prudência, fique longe do óleo de colza, ou melhor, de canola, como a indústria prefere chamar. 
Acredita-se que a colza/canola tenha efeito cumulativo e que seus sintomas levem cerca de dez anos para começar a se manifestar.
Um possível efeito a longo prazo seria a destruição do revestimento de proteção no cérebro, em torno dos nervos, chamado bainha de mielina.

Outros sintomas possíveis com o consumo desse óleo:

* Tremores e agitação
* Falta de coordenação ao caminhar ou escrever
* Fala arrastada
* Deterioração dos processos de memória e pensamento
* Redução ou difusão da audição
* Dificuldade para urinar/ incontinência urinária
* Problemas respiratórios/ falta de ar
* Crise nervosa
* Dormência e formigamento nas extremidades
* Problemas cardíacos/ arritmia
* Carência de vitamina E

* Enfraquecimento do sistema imunológico.

Fontes: 
blog do dr. Victor Sorrentino: http://www.blogdodrvictorsorrentino.com/2012/03/verdade-sobre-o-oleo-de-canola.html

Dr.Lair Ribeiro: http://www.youtube.com/watch?v=0ao_1Y7L2ww



* Tremores e agitação
* Falta de coordenação ao caminhar ou escrever
* Fala arrastada
* Deterioração dos processos de memória e pensamento
* Redução ou difusão da audição
* Dificuldade para urinar/ incontinência urinária
* Problemas respiratórios/ falta de ar
* Crise nervosa
* Dormência e formigamento nas extremidades
* Problemas cardíacos/ arritmia
* Carência de vitamina E

* Enfraquecimento do sistema imunológico.

Fontes: 
blog do dr. Victor Sorrentino: http://www.blogdodrvictorsorrentino.com/2012/03/verdade-sobre-o-oleo-de-canola.html

Dr.Lair Ribeiro: http://www.youtube.com/watch?v=0ao_1Y7L2ww



Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM