Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

O lobisomem da vida real: doença rara faz menino ter rosto coberto de pelos

Um garoto indiano, de 13 anos de idade, sofre de uma condição rara.

Essa condição é conhecida como “síndrome de lobisomem”, pois deixa o rosto inteiro coberto de pelos.

Mas hipertricose é, na verdade, o nome científico para a doença do indiano Lalit Patidar.
 
Essa é uma condição autossômica, em que normalmente (não obrigatoriamente) o pai ou a mãe do paciente também tem a doença.

A mutação genética tem como característica o crescimento excessivo de pelos, além se ser extremamente rara (uma a cada dez milhões).

Os pacientes que apresentam esta anomalia têm a pele toda coberta por pelos, com exceção das regiões das mucosas, palmas das mãos e planta dos pés.
 
Existem vários tipos de hipertricose, mas a forma congênita (presente desde o nascimento) é a mais rara delas.

Na hipertricose lanuginosa congênita o pelo é, em geral, relativamente liso e felpudo, podendo atingir até 25 centímetros de comprimento.
 
Outras variações da doença são:

  • a síndrome de Abras, variação da congênita em que o pelo é mais grosso, colorido e cresce durante toda a vida;
  • e a hipertricose adquirida, ocasionada normalmente por ingestão de medicamentos e algumas doenças metabólicas como hipotireoidismo e porfirias.

Para quem sofre com a doença, o problema maior é que não existe cura.

Além disso, não há nem ao menos um tratamento que amenize o problema.

A remoção do excesso dos pelos através dos métodos convencionais de depilação e laser é o único método até agora adotado.

Apesar de sua condição, o garoto Lalit diz que vive uma vida feliz e sonha em um dia ajudar seus pais, tornando-se um policial.

Ele é muito querido nas escola – seus colegam o acham inteligente e atlético.

Mas, infelizmente, quando sai de sua vila, Lalit sofre com a discriminação de pessoas preconceituosas.

Muitos o chamam de “macaco”.

“Há momentos em que outras crianças atiram pedras em mim e me agridem com palavras. Mas minha família e amigos vêm em meu socorro e me defendem durante tais incidentes.”

Mas, apesar de seus contratempos, Lalit está otimista sobre seu futuro e sonha ser um policial.

“Eu quero me juntar à polícia e colocar todos os ladrões e criminosos na prisão quando eu crescer.”

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM