Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

O campo magnético da Terra está perdendo a força – e isso pode ser o fim do mundo que conhecemos

Alguma coisa muito grave está acontecendo no campo magnético do nosso planeta.

Para quem não sabe, é ele quem nos protege contra radiações e sustenta os sistemas tecnológicos de que tanto dependemos.

Se, de repente, o campo magnético perdesse a força que tem, certamente toda a nossa tecnologia moderna seria destruída.

Os cientistas estão preocupados, pois há um risco de um fenômeno que ocorreu há 780.000 anos se repetir: a inversão dos polos magnéticos da Terra.

Por mais louco que isso pareça, isso acontece em longos períodos de tempo.

Quando isso acontece, não é rápido, com a inversão de polaridade ocorrendo lentamente ao longo de milhares de anos.

Ninguém sabe ao certo se outra inversão é iminente, e uma das razões para isso é a falta de dados concretos.

Há um ponto em particular que preocupa muito: a "Anomalia do Atlântico Sul", que se estende do Chile até o Zimbábue, onde o campo está mais fraco.

No momento, é perigoso para os satélites que passam por essa área porque estão expostos a altos níveis de radiação.

Para você ter ideia, acredita-se que a Anomalia do Atlântico Sul tenha destruído um poderoso satélite de observação do Japão.

A Nasa informou que os laptops do Ônibus Espacial queimaram ao passar pela área.

Os cientistas acham que a Anomalia do Atlântico Sul pode ser o ponto inicial para a inversão dos polos magnéticos.

Mas o que será que está causando essa perturbação no campo magnético?

Os cientistas descobriram que a anomalia magnética do Atlântico Sul não é um fenômeno novo na história.

Anomalias semelhantes ocorreram nos anos 400-450 dC, 700-750 dC e 1225-1550 dC – e o fato de haver um padrão nos diz que a posição da Anomalia do Atlântico Sul não é uma casualidade geográfica.

"Estamos obtendo evidências mais fortes de que há algo incomum sob África, que pode estar tendo um impacto importante no campo magnético global", diz o doutor John Tarduno, geofísico da Universidade de Rochester.

O atual enfraquecimento no campo magnético da Terra – que tem ocorrido nos últimos 160 anos – é provavelmente causado por um vasto reservatório de rocha densa chamado de Província Africana de Velocidade de Grande Estímulo, que tem cerca de 2.900 quilômetros (1.800 milhas). ) abaixo do continente africano.

Resumindo: se a anomalia continuar crescendo, a mancha no núcleo externo da África pode ser o gatilho para uma inversão completa do polo.

Ou seja, o polo norte magnético irá eventualmente trocar de lugar com o polo sul.

O campo magnético da Terra está perdendo a força - e isso pode ser o fim do mundo que conhecemos - Cura pela Natureza

CURA PELA NATUREZA – LEIA AQUI AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

O resultado é apocalíptico, e quem investigou mais a fundo sobre isso foi a jornalista canadense  Alanna Mitchell, numa entrevista com um dos cientistas envolvidos no assunto.

Aproveitando as informações que conseguiu extrair, ela escreveu a obra The Spinning Magnet: The Electromagnetic Force That Created the Modern World (O ímã giratório: A Força Eletromagnética que criou o mundo moderno e pode destruí-lo).  

No livro, Alanna diz que a radiação solar e galáctica que está lá fora é cheia de compostos incrivelmente perigosos.

O problema é que essa radiação pode se aproximar cada vez mais da superfície da Terra.

Quando isso ocorrer, ela vai destruir grande parte da rede elétrica e da eletrônica em que sustenta o nosso planeta atualmente.

Mesmo que não haja essa inversão, se o campo magnético da Terra continuar enfraquecendo, ele ainda poderá ter efeitos negativos na sociedade.

Nossa tecnologia moderna será menos protegida da radiação do espaço e das tempestades solares.

Além disso, estaremos menos protegidos da radiação UV prejudicial que vem do sol.

Este blog de notícias sobre tratamentos naturais não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

VEJA TAMBÉM

DEIXE SEU COMENTÁRIO

PUBLICIDADE