PUBLICIDADE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Micose de unha: prevenção, cuidados e tratamento caseiro

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

A micose de unha é um problema muito comum e, se não for tratada da forma certa, pode se agravar e dificultar a cura.

A micose de unha, conhecida na medicina como onicomicose, é uma infecção causada por fungos que se alimentam da queratina, proteína que forma a maior parte das unhas.

 Essa doença pode afetar tanto as unhas das mãos quanto as dos pés, porém o ponto mais vulnerável é a unha do dedão do pé.

Isso porque o uso rotineiro de calçados fechados cria o ambiente adequado para a proliferação dos fungos, que é a umidade, calor e ausência de luz.

Porém, banheiros, chuveiros, vestiários e piscinas públicas também são locais propícios para abrigar e disseminar fungos. 

Por isso, ao frequentar esses espaços descalço, você poderá correr um grande risco de adquirir micose nas unhas.

Todavia, o contato com o fungo muitas vezes não costuma ser suficiente para se adquirir a onicomicose.

Normalmente é necessário ter uma pequena lesão na unha para que ele penetre e faça seu alojamento.

Fatores de risco

Alguns fatores favorecem a infecção da unha por fungos, como por exemplo:

  • Pessoas com frieira (pé de atleta);
  • Diabetes;
  • Idade avançada;
  • HIV;
  • Uso de drogas imunossupressoras;
  • Problemas imunológicos;
  • História familiar de onicomicose;
  • Psoríase;
  • Problemas de circulação sanguínea dos membros inferiores;
  • Atletas – pois costumam ficar com os pés úmidos pela transpiração e têm maior incidência de traumas nas unhas devido ao impacto de suas atividades físicas.

Sintomas da onicomicose

A micose de unha não costuma apresentar sintomas, além da alteração estética na unha.

Pode ocorrer que, em alguns casos mais graves, o paciente sinta dor, mas isso é raro de acontecer.

Já para pessoas diabéticas ou imunossuprimidos, a onicomicose pode ser uma porta de entrada para bactérias,.

Como consequência, favorece o aparecimento de infecções secundárias, como erisipela ou celulite.

Mas em geral a micose de unha costuma apresentar um ou mais dos seguintes sinais:

  • Espessamento da unha;
  • Fragilidade da unha, deixando-a quebradiça;
  • Distorções na forma da unha;
  • Perda do brilho da unha, deixando-a opaca;
  • Mudança de coloração e escurecimento da unha;
  • Descolamento da unha em relação ao seu leito na pele.

Prevenção e tratamento para onicomicose

Embora não seja um problema fatal,  se não for tratada, a infecção se espalha por toda a unha, e até mesmo para outras unhas, tornando o tratamento mais difícil. 

Mas prevenir ainda é o melhor remédio.

Por isso, alguns hábitos higiênicos são importantes na prevenção das micoses. 

São eles:

  • Secar bem os pés e as unhas após o banho
  • Evitar andar descalço em locais úmidos, como vestiários, saunas e lava-pés de piscinas
  • Não usar calçados fechados por muito tempo, optando sempre pelos mais largos e ventilados
  • Usar cortadores diferentes – um para as unhas saudáveis e outro para as infectadas
  • Higienizar as meias e calçados corretamente (veja abaixo como fazer isso)

Como lavar as meias

Deixe as meias de molho por três horas em água quente com um copo de vinagre de maçã e um pouco de água sanitária, se forem brancas.

Em casos de meias coloridas use um pouco de sabão em pó.

Enxágue bem e deixe secar ao sol.

Depois, passe com o ferro bem quente, pois a alta temperatura mata os fungos.

Como lavar os calçados

Assim como as meias, você também irá deixar seus tênis e sapatos de molho por três horas em água quente, sabão em pó e um copo de vinagre.

Depois irá enxaguar bem e deixar secar ao sol.

Como o fungo é contagioso, não empreste suas meias e calçados a outra pessoa, pois poderá contaminar as unhas dela também.

Como potencializar o tratamento

Comece fazendo o tratamento à noite e dê sequência na manhã seguinte.

Após o banho e higienização das unhas, passe água oxigenada volume 10, umas quatro borrifadas.

Deixe secar naturalmente, não encoste em nada, nem toalha, nem pano.

Em seguida, pegue um pedaço de algodão, molhe no vinagre de maçã e envolva na unha danificada.

Isole o algodão  embebido no vinagre com um plástico filme e durma ele preso no dedo (unha).

Na manhã seguinte, lave a unha novamente, passe a água oxigenada (quatro borrifadas) espere secar, aplique quatro gotas de óleo essencial de cravo-da-índia e deixe secar.

Nesse tratamento, a água oxigenada tem propriedades antissépticas que ajudam a combater as colônias de fungos que habitam as unhas infectadas.

O vinagre de maçã contém ácido acético e tem propriedades antifúngicas e bactericidas.

Com isso, ajuda a combater os fungos que causam a micose nas unhas.

Além disso, suas propriedades alcalinas neutralizam o pH da pele, evitando a proliferação dos microrganismos.

Para que você entenda melhor, aqui vai uma explicação básica:

O fungo não gosta de lugares ácidos e também não consegue mais se multiplicar.

Por exemplo: como todo ser vivo, o fungo também tem um ciclo de vida.

 Logo, se existem 100 fungos, eles irão morrendo, morrendo e morrendo até acabar, pois não conseguem se multiplicar.

O óleo essencial de cravo-da-índia é antifúngico, bactericida e antisséptico, o que também ajuda a eliminar os fungos presentes na unha.

Importante:

Muitas pessoas recorrem ao médico, tomam o medicamento via oral e/ou passam na unha.

Por um tempo percebem melhora, mas depois ocorre a regressão, pois as meias e os calçados não foram higienizados corretamente.

Portanto, o tratamento caseiro deve ser contínuo, regrado e requer paciência, pois o objetivo é reduzir a proliferação dos fungos.

Se você der um tempo e ficar alguns dias sem fazer, eles irão se multiplicar.

Por isso , é necessário fazer diariamente por aproximadamente três meses.

Algumas pessoas terão resultados antes, outras depois, mas seja persistente e não desista.

Além disso, quando for na manicure, leve seu kit para ela usar, afinal, nesse local também pode haver a transmissão do fungo.

Por mais que a profissional tenha esterilizado a tesourinha e o cortador, ela pode usar a lixa que utilizou em outra pessoa, e isso pode ser um fator de contaminação.

E não deixe de procurar o médico para saber qual tipo de fungo você adquiriu e seguir o tratamento indicado por ele.

Afinal, essas dicas caseiras são paliativas, ou seja, servem para potencializar o tratamento que você está fazendo.

Mais Lidas