Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

A medicina ayurvédica e o tratamento dos desequilíbrios dos chakras

Conhecer o estilo de vida, os pensamentos, sensações e sentimentos de quem procura um médico ayurvédico faz parte do diagnóstico e tratamento dessa milenar arte de curar.
As doenças que já se manifestaram no corpo são tratadas com métodos suaves ou intensos de desintoxicação que incluem dietas, massagens e ervas medicinais.
As alterações que se manifestam nas sensações, pensamentos e emoções – e que antecedem o aparecimento dos primeiros sintomas físicos – são perceptíveis e tratáveis com métodos sutis que reequilibram o funcionamento dos chakras, prevenindo o aparecimento dos males físicos e devolvendo o bem-estar.
A abordagem terapêutica sutil
Um conjunto de orientações é prescrito de acordo com a peculiaridade de cada caso. Entre elas, encontramos:
– A orientação terapêutica de impressões sensoriais adequadas para o restabelecimento dos sentidos por meio de estímulos da natureza.
– Pranayamas ou respirações próprias e dirigidas a cada desequilíbrio. Acalmam a agitação da respiração, que perturba a mente e os sentidos. Purificam o canal sutil (sushuma) que controla as funções dos chakras.
– Mantras são sons ou palavras energizados de modo especial, que libertam a mente do seu condicionamento. A vibração dos sons apropriada e particular para cada chakra traz sua harmonia.
– Cores têm efeitos apaziguadores e estimulantes. Cada cor tem afinidade e propriedade terapêutica por um chakra.
Podemos resumir no seguinte quadro:
Muladhara – som: LAM – cor: vermelho
Svadhishthana – som: VAM – cor: alaranjado
Manipura – som: RAM – cor: amarelo
Anahata – som: YAM – cor: verde
Vishuddha – som: HAM – cor: azul-celeste
Ajna – som: SHAM KSHAM – cor: azul-índigo
Sahasrara – som: AUM – cor: violeta
– A meditação é também usada como tratamento, pois acalma a mente e assim reequilibra todo o sistema orgânico e psíquico.
A melhoria apenas dos sintomas que levaram o paciente ao médico é insuficiente. O bem-estar deve ser conquistado de forma permanente, e para isso a chave de acesso à manutenção da saúde necessita ser a ele devolvida.
Observar o próprio corpo todos os dias, aprender a reconhecer os sinais de desarmonia, os incômodos orgânicos, os pensamentos e sentimentos alterados é o início do processo de cura.
Dra Maisa Misiara, médica homeopata e ayurvédica, responsável pela Clínica Cítara Saúde em São Paulo; docente do Instituto de Cultura e Escola de Homeopatia.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM