Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Margarina: um veneno para a saúde – parte 2

Margarina

Nesta segunda parte do artigo especial sobre a margarina, mostraremos uma experiência que fizemos com o produto.

No artigo “Margarina: um veneno para a saúde”, postado aqui no Cura pela Natureza, algumas pessoas questionaram o texto, dizendo que hoje o processo da margarina está diferente.

Fomos conferir.

Como aqui em casa não entra esse produto, pedimos a uma amiga uma caixa vazia de margarina que diz ter ômega 3 e 6, vitamina E, ferro e muito mais.

Veja a composição: água, óleos vegetais líquidos e interesterificados, vitaminas (A, E, D, B6, B12 e ácido fólico), estabilizante mono e diglicerídeos de ácidos graxos ésteres de poliglicerol com ácido ricinoleico, conservador sorbato de potássio, acidulante ácido cítrico, aromatizante (aroma idêntico ao natural de margarina) e corantes urucum e cúrcuma.

Agora compare com a composição da manteiga que temos em casa: manteiga de primeira qualidade, cloreto de sódio (sal) e corante natural de urucum.

Agora vem a pior parte:

Durante uma semana, a caixinha com restos de margarina ficou na temperatura ambiente daqui do Recife (28 a 30 graus) e o produto não amoleceu, não escureceu nem pegou mofo.

Dá para imaginar a quantidade de conservantes?

Outra coisa: o processo de interesterificação inclui o aquecimento do óleo, e os óleos vegetais são altamente sensíveis ao calor, que destrói suas propriedades e os torna rançosos e saturados, razão pela qual devem ser consumidos frios, à exceção do óleo de coco, que suporta o calor.

A manteiga de fato causa, se comida em excesso, uma carga maior de colesterol.

Todavia tem muitas virtudes.

Uma delas é o ácido butírico, presente na manteiga.

Recentemente pesquisadores americanos descobriram que esse ácido impede o desenvolvimento de câncer de cólon.

Mas se o problema é controlar o colesterol, basta usar óleo extravirgem cru de oliva, de linhaça, de gergelim, de coco, e evitar fritura.

Alternativas há muitas.

Só comemos pão, inhame, macaxeira, cuscuz com azeite de oliva extravirgem, patê feito em casa e conserva.

A de berinjela é uma delícia e tem receita aqui no Cura pela Natureza.

Raramente comemos manteiga.

Bolo, pastel, tudo é feito com óleo vegetal.

Assim evitamos que nosso corpo vire depósito de conservadores, aromatizantes, acidulantes, estabilizantes, corantes e só Deus sabe o que mais.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO