Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Luz LED pode causar danos oculares irreversíveis, de acordo com autoridade francesa de saúde

A relação luz LED e cegueira: agência francesa confirma o alto risco.

A luz azul é bastante comum.

Ela é caracterizada tecnicamente por um intervalo do espectro de luz visível.

Vamos imaginar, por exemplo, que a luz branca é dividida em várias partes.

A luz azul, nesse caso, seria uma dessas partes da luz.

Na prática, a luz azul natural está presente na luz solar e é bastante benéfica para a saúde: melhora a disposição, o estado de alerta e o humor.

Já a luz azul artificial é encontrada nos conhecidos aparelhos eletrônicos como tablets, computadores, celulares, televisores e lâmpadas LED, e pode ser muito prejudicial à saúde.

Outra curiosidade é o fato de o aumento da utilização das lâmpadas LED impulsionar significativamente a exposição das pessoas à luz azul artificial.

Isso acontece porque muitos LEDs brancos são produzidos pelo emparelhamento de um LED azul com um fósforo de energia mais baixa, criando assim a luz de estado sólido (LES).

O que muitos nem imaginam é que essa tecnologia (de luz azul) tem sido considerada a “iluminação do futuro”.

Ela utiliza pouquíssimos recursos energéticos em comparação às outras tecnologias de lâmpadas e não possui mercúrio.  

Mas essa alta exposição à luz azul artificial, por meio do LED (que possui chumbo e arsênio), pode ser muito perigosa.

Um dos problemas causados por ela é o desequilíbrio do ritmo circadiano, que influencia na regulação dos horários do sono.

O motivo pode ser a presença de células sensíveis à luz azul na retina, que interrompem a produção de melatonina (hormônio que promove o sono), explicam os cientistas.

Um experimento que avaliou os efeitos da exposição à escuridão, à luz amarela e à luz azul durante a noite, descobriu que a luz azul das lâmpadas LED inibe a sonolência, enquanto a luz amarela não apresenta efeitos significativos sobre o sono; e a escuridão promove a sensação de sonolência.

De acordo com o estudo, a exposição à luz azul por tempo prolongado tem diminuído a média de horas de sono da população nas últimas duas décadas. 

Uma pesquisa que mediu o efeito de iPads mostrou que, após uma hora de uso do aparelho, não houve mudança notável na melatonina.

Mas, depois de duas horas de exposição à luz do iPad, os níveis do hormônio do sono diminuíram drasticamente.

A saúde ocular também sofre os efeitos da exposição à luz azul.

Em alguns estudos com animais, a luz azul proveniente de fontes de luz LED causou danos nas células fotorreceptoras da retina. 

Mas é preciso dizer que a intensidade desses efeitos nocivos à saúde é de três a quatro vezes maior durante a noite do que durante o dia.

Alguns estudos também sugerem que a exposição crônica à luz azul pode aumentar o risco de desenvolvimento de degeneração macular e de outras patologias relacionadas à idade.

Pesquisas mostram também que a luz azul também pode levar à disfunção nas mitocôndrias. Elas estão presentes em grande concentração nas células ganglionares da retina.

Na Europa, a Agência Francesa para a Segurança e Saúde Alimentar, Ambiental e Ocupacional (Anses) publicou um relatório de 400 páginas sobre o perigo das luzes LED para os nossos olhos.

 O relatório também recomenda limitar ao máximo a exposição a LEDs que têm alta concentração de luz azul e, claro, evitar telas de aparelhos eletrônicos antes de dormir.

O relatório afirma que as luzes LED podem levar sim à degeneração macular, que causa cegueira.

O uso de óculos amarelos ou com filtro de luz azul tem sido recomendado para evitar a exposição à luz azul durante a noite, além de lâmpadas incandescentes; filtros de luz azul para aparelhos eletrônicos; luz do fogo e redução na utilização de dispositivos eletrônicos ao escurecer.

Use um bom software nos seus dispositivos para ajudar a reduzir a exposição à luz azul. 

Um muito bom é o f.lux.

Esse software filtra a luz azul e é projetado para ajustar as condições de iluminação em seus dispositivos (notebook, computadores, tablets, smartphones) de acordo com o seu ritmo circadiano.

O programa f.lux é gratuito.

O consumo de alimentos ricos em luteína e zeaxantina, como o agrião e o kiwi, também pode ajudar a aumentar a proteção contra os efeitos danosos da luz azul.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM