Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Licopeno: a prevenção natural contra o câncer de próstata

No fim deste post, vamos ensinar como fazer um autêntico molho de tomate italiano.

Mas antes vamos falar de um antioxidante muito importante.

O licopeno é a substância que dá a cor vermelha ao tomate, à cenoura, à goiaba, ao mamão, à melancia e a outros alimentos com essa cor.

É um antioxidante que, quando  absorvido pelo organismo, minimiza a ação dos radicais livres nas células.

Muitas pesquisas mostram o licopeno com propriedades para diminuir o risco de câncer de próstata e de doenças cardiovasculares.

Boas fontes de licopeno, como o tomate, a cenoura e a melancia, devem fazer parte da dieta de quem quer se beneficiar das propriedades desse nutriente.

O licopeno contribui também para atrasar o envelhecimento da pele e, por isso, auxilia no combate aos males dos raios ultravioleta.

Ele é mais bem absorvido quando o tomate é cozido e acompanhado de gorduras saudáveis, como a do azeite extravirgem de oliva, que facilitam o transporte da substância no organismo.

O licopeno presente na melancia e no mamão é muito biodisponível, sendo sua capacidade de absorção em torno de 60%.

No tomate cru, fica perto dos 13%, mas, quando cozido, sobe para 70%.

Os molhos de tomates naturais são, portanto, uma ótima fonte de licopeno.

É graças a esse nutriente que existem pesquisas indicando a capacidade de o tomate reduzir  em até 50% o risco de câncer de próstata.

Há também estudos que dão ao licopeno o status de atuar contra tumores de esôfago, pele e pulmão.

Cada 100 g de tomates maduros contêm de 3,1 mg a 7,7 mg de licopeno.

O suco de tomate tem em torno de 150mg de licopeno por litro.

A quantidade de 30 mg já traz benefícios ao nosso organismo.

Abaixo, uma receita de autêntico molho de tomate para suas massas, que lhe garantirá uma boa dose de licopeno.

Molho de tomate italiano

INGREDIENTES

1 kg de tomate italiano (sem pele e semente)

1 cebola média

3 dentes de alho

2 colheres (chá) de açúcar

7 folhinhas de manjericão

1 pitada generosa de cominho (opcional)

Sal e pimenta-do-reino a gosto

CURA PELA NATUREZA – LEIA AQUI AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MODO DE PREPARO

Retire a pele e as sementes do tomate.

Pique em que cubos e bata no liquidificador.

Não dá para bater tudo de uma única vez.

Por isso divida em três porções.

Em seguida, doure a cebola picada com o alho amassado.

Acrescente o tomate triturado.

Quando levantar fervura, coloque o açúcar, as folhas de manjericão picadas, uma pitada generosa de cominho (se quiser), sal e pimenta-do-reino a gosto.

Não se esqueça do açúcar – ele é fundamental para que o molho não fique ácido.

Abaixe o fogo e deixe cozinhar por cerca de 30 minutos, mexendo de vez em quando.

A panela deve ficar destampada para que o molho engrosse.

Após 30 minutos de cozimento, o molho terá reduzido bastante e estará espesso.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO