Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Lavar os pratos de casa ajuda a viver por mais anos

Hoje vamos falar sobre uma atividade que, temos quase certeza, você não gosta de fazer.

A não ser que você seja a exceção da regra.

Aliás, não só você não gosta de fazer, a maioria das pessoas também não gosta.

Que atividade é essa?

Lavar os pratos da sua casa!

Essa é uma das tarefas que mais frequentemente chateiam a família, porque não é agradável para qualquer um lavar pilhas de pratos sujos e gordurosos.

Mas temos uma notícia que pode fazer mudar de ideia…

Pesquisadores da Universidade de Buffalo, em Nova York, estudaram 6.000 voluntários com idades entre 63 e 99 anos, através de sensores que avaliavam a atividade diária durante uma semana inteira.

Depois de três anos consecutivos de análise, o que os pesquisadores descobriram foi que as pessoas que tinham uma vida mais ativa e longa eram aquelas que lavavam a louça, isso em comparação com aquelas que não faziam nenhuma atividade na casa.

O estudo foi publicado no jornal da American Geriatrics Society.

Se você quiser saber mais sobre como lavar a louça pode melhorar a sua vida e mudar a data em que você vai deixar este mundo, continue lendo esta notícia e preste muita atenção.

Vamos em frente.

A pesquisa descobriu que as mulheres que se engajaram em 30 minutos por dia de atividade física leve – medida por um acelerômetro em vez de um questionário – tiveram um risco 12 por cento menor de morte.

No caso das mulheres que eram capazes de fazer meia hora por dia de atividade doméstica de moderada a vigorosa, o risco de mortalidade era 39% menor.

Para a faixa etária neste estudo, atividades físicas leves incluem tarefas regulares como dobrar roupas, lavar os pratos, varrer o chão ou lavar as janelas.

Atividades moderadas a vigorosas seriam uma rápida caminhada ou andar de bicicleta em um ritmo calmo.

"Isso é notável porque as atuais diretrizes de saúde pública exigem que a atividade física seja de intensidade moderada ou superior para conferir benefícios à saúde", disse Michel LaMonte, principal autor do estudo e professor associado de epidemiologia e saúde ambiental na Escola de Saúde Pública da Universidade de Buffalo.

"Nosso estudo mostra, pela primeira vez em mulheres mais velhas, que a saúde é beneficiada mesmo em níveis de atividade física abaixo das recomendações das diretrizes."

O benefício da redução mortalidade foi semelhante para as mulheres com menos de 80 anos em comparação com as mulheres com mais de 80 anos.

Foi semelhante entre as raças/ origens étnicas e entre as mulheres obesas e não obesas.

"Talvez o mais importante para esta população, o benefício de mortalidade foi semelhante entre as mulheres com alta e baixa capacidade funcional", declarou Andrea LaCroix, professora e chefe de epidemiologia da Universidade da Califórnia, em San Diego, que também participou do estudo.

Embora o estudo tenha se concentrado em mulheres mais velhas, os pesquisadores dizem que suas descobertas transmitem uma mensagem poderosa para mulheres e homens mais jovens – que é importante praticar atividades domésticas ​​além dos exercícios físicos enquanto você é jovem, pois será mais provável mantê-los quando ficar mais velho.

O estudo incorporou uma nova abordagem.

Ao contrário da maioria dos estudos anteriores sobre esta questão em que a atividade física foi medida usando questionários, os pesquisadores mediram a atividade física usando acelerômetros.

Esses dispositivos de detecção de movimento documentam e armazenam eletronicamente os padrões de movimento diários e a intensidade em um relógio de 24 horas durante o maior número de dias em que o dispositivo foi usado.

As mulheres neste estudo usaram os dispositivos entre quatro e sete dias.

Os pesquisadores então baixaram as informações e as analisaram.

Lavar os pratos de casa ajuda a viver por mais anos - Cura pela Natureza

CURA PELA NATUREZA – LEIA AQUI AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Para tornar sua análise da atividade física ainda mais específica para mulheres mais velhas, eles também conduziram um estudo de laboratório em um subconjunto de participantes do estudo durante o qual eles alinharam as informações do acelerômetro com a realização de tarefas relacionadas aos hábitos habituais de atividade diária das mulheres idosas.

"Nenhum outro estudo tão grande como o nosso e especificamente sobre mulheres mais velhas incluiu este passo para melhorar a interpretação dos dados acelerômetro em um contexto relevante para os participantes do estudo", disse LaMonte.

As descobertas podem ter implicações para as diretrizes nacionais de saúde pública para a atividade física de mulheres idosas dos EUA, especialmente quando se considera o crescimento projetado dessa população nas próximas décadas.

As descobertas dos pesquisadores estão sendo consideradas pelo Comitê Consultivo de Diretrizes de Atividade Física do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

Até 2050, o grupo da população com 65 anos ou mais terá dobrado, chegando a quase 77 milhões, de acordo com LaMonte, acrescentando que as mulheres nessa faixa etária superarão os homens em 2 para 1 no atual padrão de crescimento esperado.

"Nossos resultados sugerem que os benefícios para a saúde de atividades mais leves podem atingir uma grande faixa de mulheres em uma sociedade em envelhecimento", disse LaMonte.

"Essas descobertas são especialmente relevantes para envelhecer bem em uma sociedade em envelhecimento", acrescentou.

"Algumas pessoas, por causa da idade, doença ou descondicionamento físico, não são capazes de fazer atividades mais extenuantes. As diretrizes atuais não encorajam a atividade leve porque a base de evidências para apoiar tal recomendação está faltando."

Quer dizer, "estava" faltando.

Fonte: Medium

Este blog de notícias sobre tratamentos naturais não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

VEJA TAMBÉM

DEIXE SEU COMENTÁRIO