Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Justiça condena Johnson & Johnson a pagar US$ 72 milhões de indenização por produto que causa câncer

A Johnson & Johnson foi condenada, por um tribunal de St. Louis, nos Estados Unidos, a pagar uma indenização de 72 milhões de dólares à família de uma mulher que morreu de câncer do ovário.

É a primeira vez que a justiça dos EUA valida a ligação entre a utilização do talco em pó e o risco de câncer.

A Johnson & Johnson terá de indenizar em 72 milhões de dólares à família de Jacqueline Fox, que morreu em 2015, com 62 anos, vítima de câncer do ovário.

O tribunal de St. Louis, no estado do Missouri, deu como provado que a empresa esteve consciente dos riscos do pó de talco e nunca alertou os consumidores para a possibilidade de virem a desenvolver um cancro.

“Estamos solidários com a família, mas acreditamos firmemente que a segurança do talco em pó é provada por décadas de evidência científica”, argumentou a Johnson & Johnson, que deverá apresentar o recurso em breve.

Jacqueline Fox foi diagnosticada com câncer em 2012.

Ela declarou que usou o talco em pó para bebês da Johnson & Johnson durante mais de 35 anos.

Jacqueline morreu em outubro de 2015, aos 62 anos de idade.

Em 2012, a Johnson & Johnson anunciou que ia deixar de usar em seus produtos formaldeído e dioxane 1,4 – dois compostos comprovadamente cancerígenos – após anos de publicidade negativa, petições e ameaças de boicote por parte de alguns grupos de consumidores.

Os jurados do tribunal de St. Louis  responsabilizaram a Johnson & Johnson por fraude e negligência.

Um dos jurados, Krista Smith, disse que documentos internos da Johnson & Johnson foram  "decisivos" para a condenação.

"Ficou muito claro que eles estavam escondendo alguma coisa", disse Smith.

"Eles tinham que colocar uma etiqueta de advertência depois de saber dos riscos", conclui.

Jere Beasley, advogado da família Fox, disse que a Johnson & Johnson "sabia desde década de 1980 do risco do seu talco causar câncer" e mesmo assim "mentiu para o público e para as agências reguladoras".

A imprensa dos Estados Unidos antecipa que esta é a primeira de muitas indenizações, pois há mais de mil processos correndo com base nos riscos cancerígenos do talco em pó.

QUANDO TUDO COMEÇOU

Estudos divulgados em 1982 mostraram uma forte conexão entre o talco e o câncer de ovário.

Descobertas mostraram que as mulheres que usam esse produto têm 300 vezes mais chances de desenvolver câncer de ovário.

Este estudo teve grande repercussão na mídia americana.

Mas a Johnson & Johnson negou todas as evidências das pesquisas.

E decidiu que não tinha necessidade de alertar os seus clientes sobre esses efeitos secundários perigosos do talco produzido por ela.

A empresa se baseia, entre outras coisas, em um laudo da entidade britânica Cancer Research, que afirma não existirem provas científicas da ligação entre o uso do talco e o câncer do ovário.

“Mesmo que exista um risco, é provavelmente pequeno”, salientou um responsável da associação britânica.

O mercado de talcos fatura, só nos Estados Unidos,  mais de 18 milhões de dólares.

Fontes: Daily Mail, Bloomberg e USA Today

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

DEIXE SEU COMENTÁRIO