Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Fungo de planta combate micróbio

UFPE revela que substâncias ativas encontradas no alecrim-pimenta são na verdade do fungo que se abrigam na espécie, um arbusto da caatinga
O alecrim-pimenta, um tipo de arbusto nativo da caatinga, é conhecido na medicina popular por suas propriedades antimicrobianas. As substâncias ativas contra microrganismos patogênicos, no entanto, provavelmente não se originam da planta e sim de fungos que se abrigam nela. É o que mostra uma pesquisa da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que isolou 207 fungos endofíticos do caule e das folhas da espécie.

Um deles, o Dreschlera dematioidea, se mostrou potente contra os fungos que provocam impigem e pano branco e duas bactérias responsáveis por infecções. A pesquisa, realizada no Departamento de Micologia da UFPE, revelou, ainda, uma espécie nova nas folhas do alecrim-pimenta, batizada pela equipe de Corynespora subcylindrica. A autora do estudo, Virgínia Medeiros de Siqueira, verificou que os 207 fungos pertencem a 14 espécies. Cento e vinte e cinco delas vivem nas folhas e 82, no caule. Ela realizou o trabalho para o mestrado em biologia de fungos, sob a orientação da professora Cristina Maria de Souza Motta.

Segundo Cristina, acredita-se que existam no mundo 72 mil tipos de fungos, dos quais são conhecidos 5%. “Não é todo dia que se descobre uma espécie nova. Fungos são microrganismos e isso dificulta o trabalho”, justifica a curadora da coleção de fungos vivos do Departamento de Micologia da UFPE. Criada em 1954, a micoteca abriga aproximadamente 10 mil culturas de fungos.

Na natureza, os fungos vivem em sua maioria no solo, mas também são encontrados em vegetais, animais, em objetos e até nas nossas roupas. “Causam doenças, mas também são importantes decompositores na cadeia alimentar.”

A relação entre as plantas e os fungos endofíticos, explica a pesquisadora, é do tipo mutualística, em que ambos se beneficiam. A planta ganha proteção. É que substâncias liberadas pelos fungos deixam longe insetos que se alimentam de folhas. Já os fungos encontram alimento e local para se desenvolver. “É uma relação equilibrada. Se os fungos formarem colônias, por exemplo, podem matar a planta. Por isso eles apenas se mantém vivos dentro delas.”
Fonte: Jornal do Commercio, Recife, 8 de junho de 2010, Cidades.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM