Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Fosfoetanolamina, a pílula que promete curar o câncer, começa a ser produzida em São Paulo; Anvisa critica

Agora é oficial.

O Senado aprovou, em votação simbólica, o projeto de lei que que permite a fabricação, distribuição e o uso da fosfoetanolamina sintética, conhecida como “pílula do câncer”.

Como não houve alterações ao texto aprovado pela Câmara dos Deputados, o projeto segue agora para a sanção presidencial.

Desenvolvida pela Universidade de São Paulo (USP) para o tratamento de câncer, a substância é apontada como possível cura para diferentes tipos de tumores malignos.

E já na próxima semana o laboratório PDT Pharma, de Cravinhos (SP), pretende iniciar a sintetização do composto para os testes anunciados pelo governo de São Paulo.

Pesquisadores e representantes do laboratório se reuniram nesta terça-feira (22) para definir como vai ser feito o trabalho e o primeiro lote, de 35 kg, deve gerar cerca de 350 mil cápsulas.

Do laboratório, o composto será encaminhado para a Fundação para o Remédio Popular (Furp) de Américo Brasiliense, responsável por encapsular a substância, e em seguida para o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), que vai coordenar os testes em humanos.

Segundo a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, na primeira fase, serão avaliados 10 pacientes para determinar a segurança da dose que vem sendo utilizada na comunidade.

Após essa primeira etapa, caso o composto não apresente efeitos colaterais graves, a pesquisa prosseguirá com até mil pacientes.

Os críticos da fosfoetanolamina – que são muitos – criticam a aprovação pelo Senado e o início da produção.

Eles dizem que até agora ela não passou por esses testes em humanos e não tem eficácia comprovada, não é considerada um remédio.

Argumentam também que a fosfoetanolamina não tem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e seus efeitos nos pacientes ainda são desconhecidos.

Os primeiros testes realizados com a substância não foram positivos.

Eles mostraram que o composto não é mais eficaz do que quimioterápicos em células isoladas e recomendaram testá-lo em seres vivos, de forma a avaliar sua integração com o organismo.

Mas o químico Gilberto Chierice, que desenvolveu a substância na USP, contestou a metodologia usada nesses testes.

Ele chamou o método de "inadequado".

De acordo com o cientista, a fosfoetanolamina funciona como um marcador de células doentes.

"Tubo de ensaio não tem fígado, então foge totalmente do mecanismo da fosfoetanolamina. Ela tem que entrar no trato disgestivo, no sangue, e combinar-se com ácidos graxos para então caminhar para a célula", explicou.

Ele tem certeza de que testes com a metodologia certa podem comprovar a eficácia da fosfoetanolamina.

"O correto seria pegar um animal, porque o metabolismo animal contribuiria tanto para o quimioterápico, que tem que ser comparado, como para a fosfoamina", disse.

A Anvisa se pronunciou mais uma vez sobre a pílula após a aprovação do Senado.

Em nota divulgada, a agência afirmou ver com preocupação a liberação de uma substância que não passou por testes que garantam sua segurança e eficácia "como é exigido pela Anvisa e por todas as agências reguladoras do mundo".

A fosfoetanolamina é uma substância produzida pelo corpo humano e tem demonstrado ser antitumoral.

Ela estimula a apoptose, que seria uma “morte celular programada”, ou seja, impede que o câncer se espalhe e produz a morte de suas células.

A pesquisa sobre essa substância vem sendo realizada há 20 anos, com dissertações de mestrado mostrando resultados positivos na contenção e redução de tumores, através da utilização da droga em animais.

Mais de 800 pessoas se trataram com o remédio, tendo resultados positivos em seu tratamento.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM