- PUBLICIDADE -

Error: Embedded data could not be displayed.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Flor que faz bem aos olhos

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Um estudo realizado pela Unicamp mostra que a capuchinha (Tropaeolum majus), também conhecida como flor-de-chagas e agrião-do-méxico, é rica em luteína, carotenóide associado à prevenção de problemas oftalmológicos.

Assim como o tomate e a melancia, que são ricos em licopeno, um tipo de carotenóide associado à proteção contra doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer, sobretudo o de próstata, pulmão e estômago, a capuchinha, uma flor comestível geralmente usada para adornar saladas, é rica em luteína, um carotenóide relacionado à prevenção de doenças como catarata e degeneração macular.

Carotenóides são pigmentos amplamente distribuídos na natureza, responsáveis pelas cores laranja, amarela e vermelha das frutas, verduras, flores, alguns peixes e pássaros, bactérias, algas, fungos e leveduras. A ingestão moderada dessas substâncias auxilia no fortalecimento do sistema imunológico e na redução de doenças degenerativas, como as do coração, da visão e certos tipos de câncer. Comer cinco porções de frutas e verduras por dia seria ideal.

O único problema é que a capuchinha é cara – mas, por outro lado, de fácil cultivo, podendo ser plantada no quintal. Seu gosto lembra o do agrião.