quinta-feira, 20 janeiro 2022
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

Fitoterápicos estarão disponíveis pela rede pública de saúde

Arnica para aliviar dores de contusões, babosa para combater a caspa, guaco para acabar com a tosse. A sabedoria popular conhece o poder das plantas. Para valorizar a tradição da fitoterapia, o Ministério da Saúde elaborou uma lista de 71 espécies que vão gerar medicamentos a serem usados na rede pública de saúde do Brasil. “Priorizamos a inclusão de plantas que atendam às doenças mais comuns dos brasileiros”, explica o diretor do Departamento de Assistência Farmacêutica do ministério, José Miguel do Nascimento.

A partir da lista – oficialmente chamada de Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse do SUS (Sistema Único de Saúde) -, cientistas farão estudos para criar os fitoterápicos que serão disponibilizados nos hospitais. A relação deverá ser revisada e atualizada periodicamente. Atualmente são oferecidos pelo SUS apenas remédios derivados de espinheira-santa (para gastrite e úlcera) e de guaco (gripe).

Segurança e eficácia

Os novos medicamentos a serem utilizados pelo SUS serão aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se considerados seguros e eficazes para os pacientes. De algumas das plantas da relação já se conhecem as propriedades. Outras estão em análise.

Segundo o especialista em plnatas medicinais da Universidade Federal do Rio de Janeiro Décio Alves, os medicamentos fitoterápicos provocam menos efeitos colaterais do que os alopáticos. “Os remédios à base de plantas são feitos de substâncias naturais, facilmente reconhecidas pelo corpo, e com ação mais suave. Além disso, em muitos casos seu custo é menor que os alopáticos, inclusive alguns genéricos”, diz.

No Rio de Janeiro, dois hospitais do município já produzem fitoterápicos: o Hospital Municipal Raphael de Paula e Sousa, em Curicica, e a Policlínica Newton Alves Cardoso, na Ilha do Governador. O Programa Municipal de Plantas Medicinais também tem cursos para grupos de usuários.

A representante de vendas Luciana Alves, 36 anos, aderiu à fitoterapia há seis meses e já percebe melhoras na saúde. “Optei pelo uso de plantas medicinais porque esses medicamentos naturais agridem menos meu organismo. Estou usando raiz de ouro, indicada para melhorar o meu desempenho mental”, conta.

Texto retirado de:
http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3667723-EI8147,00-Fitoterapicos+estarao+disponiveis+pela+rede+publica+de+saude.html

- PUBLICIDADE -

Veja Também

Redes Sociais

3,436,539FãsCurtir
159,642SeguidoresSeguir
574,748SeguidoresSeguir
522SeguidoresSeguir
3,880SeguidoresSeguir
564,000InscritosInscrever
- PUBLICIDADE -

ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -