Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Fitoterápicos estarão disponíveis pela rede pública de saúde

Arnica para aliviar dores de contusões, babosa para combater a caspa, guaco para acabar com a tosse. A sabedoria popular conhece o poder das plantas. Para valorizar a tradição da fitoterapia, o Ministério da Saúde elaborou uma lista de 71 espécies que vão gerar medicamentos a serem usados na rede pública de saúde do Brasil. “Priorizamos a inclusão de plantas que atendam às doenças mais comuns dos brasileiros”, explica o diretor do Departamento de Assistência Farmacêutica do ministério, José Miguel do Nascimento.

A partir da lista – oficialmente chamada de Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse do SUS (Sistema Único de Saúde) -, cientistas farão estudos para criar os fitoterápicos que serão disponibilizados nos hospitais. A relação deverá ser revisada e atualizada periodicamente. Atualmente são oferecidos pelo SUS apenas remédios derivados de espinheira-santa (para gastrite e úlcera) e de guaco (gripe).

Segurança e eficácia

Os novos medicamentos a serem utilizados pelo SUS serão aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se considerados seguros e eficazes para os pacientes. De algumas das plantas da relação já se conhecem as propriedades. Outras estão em análise.

Segundo o especialista em plnatas medicinais da Universidade Federal do Rio de Janeiro Décio Alves, os medicamentos fitoterápicos provocam menos efeitos colaterais do que os alopáticos. “Os remédios à base de plantas são feitos de substâncias naturais, facilmente reconhecidas pelo corpo, e com ação mais suave. Além disso, em muitos casos seu custo é menor que os alopáticos, inclusive alguns genéricos”, diz.

No Rio de Janeiro, dois hospitais do município já produzem fitoterápicos: o Hospital Municipal Raphael de Paula e Sousa, em Curicica, e a Policlínica Newton Alves Cardoso, na Ilha do Governador. O Programa Municipal de Plantas Medicinais também tem cursos para grupos de usuários.

A representante de vendas Luciana Alves, 36 anos, aderiu à fitoterapia há seis meses e já percebe melhoras na saúde. “Optei pelo uso de plantas medicinais porque esses medicamentos naturais agridem menos meu organismo. Estou usando raiz de ouro, indicada para melhorar o meu desempenho mental”, conta.

Texto retirado de:
http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3667723-EI8147,00-Fitoterapicos+estarao+disponiveis+pela+rede+publica+de+saude.html

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO