Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Férias mais longas podem reduzir risco de doenças cardíacas e ser mais importantes que medicamentos

Sabe quando o nível de estresse está muito alto e alguém nos aconselha a tirar férias?

Isso faz todo o sentido!

Além de relaxar o corpo e a mente, passar um tempo longe da rotina promove longevidade.

Quem afirma isso são pesquisadores da Universidade de Helsinque, na Finlândia.

O resultado da pesquisa foi apresentado no Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia, em 2018.

O estudo analisou 1.222 executivos do sexo masculino de meia idade, nascidos entre 1919 e 1934 e recrutados no Helsinki Businessmen Study em 1974 e 1975.
 
Todos os voluntários tinham pelo menos um fator de risco para doença cardiovascular, incluindo tabagismo, pressão alta, colesterol alto, triglicerídeos elevados, descontrole da glicose e excesso de peso.

Esses homens foram divididos aleatoriamente em dois grupos:

Grupo A – com a participação de 612 pessoas recebendo conselhos orais e escritos a cada quatro meses, a fim de que praticassem atividade física aeróbica, tivessem uma dieta saudável, atingissem o peso ideal e também parassem de fumar.

Quando necessário, um ou outro participante recebia remédios para controlar o colesterol.

Grupo B – com a participação das 610 pessoas recebendo cuidados habituais, sem a visita dos pesquisadores.

Após cinco anos, a equipe descobriu que o risco de doença cardiovascular foi reduzido em 46% no grupo A  em comparação ao grupo B.

No entanto, no final de um acompanhamento de 15 anos em 1989, houve mais mortes no grupo A do que no grupo B.

Isso parece estranho, não é mesmo?

Então os cientistas decidiram prolongar a observação por mais 40 anos.

E, analisando os registros de óbitos, os pesquisadores levaram em consideração o tempo de trabalho, de sono e as férias de cada participante.

Eles descobriram que as férias mais curtas estavam relacionadas com o excesso de mortes encontradas no grupo de intervenção.

Os participantes do grupo de intervenção que tiraram três semanas ou menos de férias anuais tiveram um risco 37% maior de morte entre 1974 e 2004 do que aqueles que tiveram mais de três semanas.

Cura pela Natureza

CURA PELA NATUREZA – LEIA AQUI AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

No entanto, a duração do feriado não teve impacto sobre o risco de morte no grupo B, e as taxas de mortalidade para os dois grupos foram as mesmas nos anos de 2004-2014.

Não pense que ter um estilo de vida saudável compensaria  o excesso de trabalho.

Segundo a pesquisa, homens com férias mais curtas trabalhavam mais e dormiam menos do que aqueles que tiravam férias mais longas.

E esse estilo de vida estressante pode ter anulado qualquer benefício da intervenção médica.

“Achamos que a intervenção (leia-se cuidados com a saúde) em si também pode ter tido um efeito psicológico adverso nesses homens, acrescentando estresse às suas vidas", explicou o professor Strandberg.

Mas os resultados não indicam que os cuidados com a saúde é prejudicial.

Em vez disso, eles sugerem que a redução do estresse é uma parte muito importante dos programas destinados a reduzir o risco de doenças cardiovasculares.

Daí a grande importância das férias prolongadas.

Este blog de notícias sobre tratamentos naturais não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM