Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

“Eu troquei a minha mulher por uma boneca de silicone”

Boneca de Cera

No Japão, homens estão se relacionando com bonecas de silicone – e a prática, a cada ano, só faz crescer.

Que o mundo anda carente e individualista não é segredo para ninguém.

Com as redes sociais, as pessoas têm cada vez menos contato físico, o que vem afetando bastante os relacionamentos.

No Japão, por exemplo, a taxa de suicídio entre crianças e adolescentes só faz aumentar.

Tudo indica que a causa está justamente no estilo de vida: excesso de cobrança, pouco afeto e muito tempo dedicado ao mundo virtual.

Se lá existem serviços como aluguel de amigos ou de convidados para casamento, nada mais deveria nos surpreender.

No entanto, é realmente impressionante saber que os problemas emocionais no país são tão grandes que muitos acabam se apaixonando por bonecas de silicone.

Não, você não entendeu errado: há uma grande tendência dos homens deixarem a esposa e os filhos para viver com bonecas.

Não pense que se trata daquelas bonecas infláveis horríveis.

No Japão, uma empresa resolveu inovar, a fim de garantir melhor qualidade ao produto.

Como?

Fabricando bonecas que parecem mulheres de verdade!

Os clientes podem escolher o tamanho, a cor, o tipo de cabelo e até a roupa que suas acompanhantes terão.

Isso aconteceu com Senji Nakajima, 62 anos, que alega ser muito feliz com sua “amante”, a Saori.

O japonês leva a boneca para todo os lugares e se sente muito bem quando lembra que ela não está com ele por interesse.

O relacionamento, se é que podemos chamar de relacionamento, existe há seis anos.

No começo, era por puro prazer sexual, já que o homem não estava satisfeito com a esposa.

Depois, tornou-se algo mais “sentimental”.

Nakajima diz estar cansado da frieza dos seres humanos e que Saori jamais vai traí-lo.

E tem mais!

Ele garante que a boneca é como se fosse de verdade, então não a enganaria nem com uma prostituta.

Um caso semelhante é o de Masayuki Ozaki, que tentou preencher o vazio do seu casamento comprando Mayu.

Isso mesmo!

Ozaki divide a casa com a esposa, a filha adolescente e a boneca.

O matrimônio começou a esfriar depois que a senhora Ozaki engravidou.

Como eles não estavam mais tendo relação sexual, o homem se sentiu sozinho e resolveu conhecer uma feira que vendia as famosas bonecas de silicone.

Ele diz que foi amor à primeira vista.

Se você está pensando em como a filha reagiu, saiba que quando ela era pequena, achou que Mayu era apenas uma espécie de Barbie gigante.

Infelizmente, agora que ela está crescida, já sabe muito bem que tipo de coisa o pai faz com a boneca.

Segundo Ozaki, a menina ficou com medo e achou nojento, mas ele disse que ela já tem idade suficiente para entender e até dividir as roupas com “rabu doru” (boneca do amor).

Acredite: Mayu ganha até joias.

“Mas e a esposa dele?” – você deve estar se perguntando.

Bom, é com grande tristeza que compartilhamos essa notícia: a mulher evita pensar no tempo nada saudável que o marido passa ao lado da boneca.

Chorando, ela diz que se limita aos cuidados da casa: lavar, passar, cozinhar…

Esses dois casos estão longe de ser únicos no país da tecnologia.

Para você ter ideia, algo em torno de 2 mil bonecas são vendidas por ano.

Neste exato momento, há vários homens colocando suas amantes de silicone em cadeiras de roda para dar uma voltinha na cidade.

Enquanto eles romantizam o contato que têm com o brinquedo sexual, suas famílias sofrem a consequência do distúrbio.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO