Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Estudo mostra que ginseng combate impotência*

(Carina Flosi)

São Paulo

Uma pesquisa feita por médicos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) concluiu que o ginseng coreano vermelho – uma raiz usada, em geral, para combater fadiga – é eficaz também no tratamento da impotência – mal que atinge cerca de 25 milhões de brasileiros.

A raiz – de uma erva aromática – foi descoberta há milênios no extremo oriente. Seu nome significa “erva humana”, devido a sua forma – para alguns, semelhante à figura de um homem.

Para que o ginseng produza o desejado efeito de combate à disfunção erétil, o paciente precisa ingeri-lo diariamente, dizem os pesquisadores.

Ainda assim, isso significa que as pessoas podem tentar uma ereção melhor gastando menos do que se imaginava até então.

No organismo, o efeito da raiz é similar a alguns dos remédios já existentes no mercado. Ela aumenta o fluxo sanguíneo em certas áreas do pênis, favorecendo a ereção.

Para quem começa a tomar as cápsulas, o efeito pode ser sentido em duas semanas, mas a intensidade do ganho de qualidade de ereção varia de pessoa para pessoa.

A pesquisa da Unifesp foi feita com 54 pacientes, com idades de 26 a 70 anos. Por um ano, metade deles ingeriu – sem saber – placebo (comprimidos sem efeito medicamentoso), e os demais, ginseng.

Resultado: 25% dos que tomaram placebo tiveram avanços na qualidade da ereção – provavelmente pelo efeito psicológico de estar tomando alguma coisa. O índice subiu para 66% entre os que ingeriram cápsulas da raiz.

A avaliação foi feita por um questionário que define o Índice Internacional de Função Erétil – determinado pela somatória de pontos nos quesitos ereção, atividade sexual e prazer.

“Nos graus leve e moderado – que concentram a maioria dos casos de impotência que acabam nos consultórios -, o ginseng tem uma boa resposta”, resume o pesquisador Enrico de Andrade.

Durante a pesquisa, o gengibre coreano vermelho não provocou efeitos colaterais nos pacientes analisados. Os outros tipos da raiz não foram testados pelos pesquisadores.

“É sabido, porém, que doses muito altas podem levar à hiperatividade e à insônia”, alerta Andrade. “Pelos resultados, o ginseng é uma opção de tratamento, especialmente para homens com problemas – de saúde ou financeiros – para usar as drogas existentes no mercado”, completou Joaquim de Almeida Claro, orientador do estudo na universidade paulista.

*Texto retirado de:
http://sistemas.aids.gov.br/imprensa/Noticias.asp?NOTCod=49538

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO