Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Estudo liga herbicida usado na grama a casos de câncer em cães

Herbicidas usados no seu jardim/gramado podem ser grandes vilões para seu animal de estimação, sabia?

É verdade.

Estudos recentes apontam que produtos químicos, normalmente usados para cuidar da grama, podem ser altamente cancerígenos para os cães.

Infelizmente, a evidência de que esses produtos (como o herbicida Roundup da Monsanto / Bayer (glifosato), ou o ácido 2,4-diclorofenoxiacético-2,4-D) estão ligados ao câncer em cães vem se acumulando constantemente nos últimos 20 anos.

E o pior!

Mesmo que você não possua um animal de estimação, isso deve gerar alarme para o cuidado com crianças e com a sua própria saúde.

John Reiff, da Colorado State University, nos lembra: “Os animais podem ser indicadores sensíveis de riscos ambientais e sistema de alerta para intervenção de saúde pública”.

Em 1991, um estudo de caso-controle de cães de companhia foi publicado por uma equipe do Programa de Epidemiologia e Bioestatística do Instituto Nacional do Câncer (NCI), nos Estados Unidos.

Eles descobriram que os cães cujos proprietários usaram o herbicida 2,4-D em seus gramados quatro vezes ou mais por ano foram duas vezes mais propensos a desenvolver o linfoma maligno canino.  

Outro estudo publicado em 1994 por pesquisadores da Colorado State University forneceu mais evidências de preocupação ao examinar se os cães absorvem o 2,4-D e o excretam na urina depois que seus donos usam o herbicida de gramado.

O estudo encontrou uma correlação entre a aplicação recente do herbicida de gramado e o 2,4-D mensurável na urina do cão.

Mais preocupante foi que alguns cães tinham pequenas quantidades de 2,4-D em sua urina, apesar de seus donos não terem aplicado recentemente o 2,4-D em seus gramados.

Isso levantou a possibilidade de os cães terem sido expostos ao herbicida nos gramados vizinhos e nos parques.

E as pesquisas continuam.

Estudo conduzido entre 2000-2006 com cães tratados por linfoma maligno canino em um hospital veterinário da Universidade Tufts descobriu que o uso de pesticidas aplicados profissionalmente em gramados estava associado a um risco 70% maior de câncer.

Estudo liga herbicida usado na grama a casos de câncer em cães - Cura pela Natureza

CURA PELA NATUREZA – LEIA AQUI AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

É possível também que o 2,4-D seja encontrado na poeira do piso de casas após a aplicação do herbicida em gramados residenciais e comerciais.

Há uma real preocupação sobre a exposição química através do contato com a pele e os pulmões.

E atenção, o mesmo cuidado vale para crianças.

Uma equipe de pesquisadores espanhóis de nove instituições altamente respeitadas, incluindo o Consórcio para Pesquisa Biomédica em Epidemiologia e Saúde Pública e o Centro de Pesquisa em Epidemiologia Ambiental, realizou um estudo de caso de câncer infantil envolvendo 3.350 casos e 20.365 controles em duas regiões espanholas e concluíram que “viver perto de terras cultivadas pode ter relação com muitos tipos de câncer em crianças”.
 
Outro grupo de pesquisadores italianos e norte-americanos publicou resultados de seu estudo de caso-controle baseado em uma comunidade do norte da Itália para avaliar a possível relação entre exposição passiva a pesticidas agrícolas e risco de leucemia aguda na infância.

Eles constaram um “aumento do risco de leucemia em crianças que residem perto de culturas “caracterizadas pelo uso de 2,4-D, MCPA, glifosato, dicamba, triazina e cipermetrina”.

Enquanto esperamos por mais pesquisas para confirmar ou refutar uma ligação entre o 2,4-D e o câncer em pessoas e animais de estimação, cada um de nós deve decidir se deve tomar medidas para proteger nossos familiares e pets de herbicidas potencialmente perigosos.
 
Este blog de notícias sobre tratamentos naturais não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM