Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Esta vitamina estimula a memória, inteligência e a criativade em crianças e adultos

Já imaginou estimular o QI e o pensamento criativo?

Saiba que existe uma vitamina que pode fazer isso.

Trata-se de uma vitamina que além de ser boa para a saúde dos olhos, também tem indícios de ser ótima para o cérebro.

Seu nome?

Luteína.

Já ouviu falar dela?

O elo entre a luteína e a saúde ocular foi relatada pela primeira vez em 1994, quando pesquisadores descobriram uma ligação entre a ingestão de alimentos ricos em carotenoides, particularmente vegetais de folhas verde-escuras como espinafre, e uma redução significativa na degeneração macular relacionada à idade (DMRI).

Assim, tornou-se um medicamento natural pra combater a degeneração macular, catarata e outros problemas relacionados aos olhos.

Movidos pela curiosidade a respeito do poder da luteína, cientistas descobriram que a vitamina pode  ter um papel a desempenhar na redução da inflamação sistêmica.

E tem mais: o cérebro requer luteína para o bom desenvolvimento.

Algumas pessoas têm dificuldade para absorver luteína, o que é muito possível quando se está acima do peso.

No entanto, é necessário inverter o quadro.

Afinal, a luteína está associada com melhores pontuações de QI e um impulso no pensamento criativo.

Numerosos estudos com crianças, pessoas de meia-idade e idosos mostram importância da luteína na saúde do cérebro.

Para quem não sabe, não foi uma grande surpresa descobrir que a vitamina beneficia muito mais do que a vista.

Isso porque os olhos e o cérebro estão conectados.

Níveis sanguíneos mais elevados de luteína e zeaxantina foram associados à melhor cognição, memória e criatividade em adultos.

Estudos em crianças descobriram que 60% do total de carotenoides no cérebro pediátrico é luteína.
 
Esse acúmulo sugere que o cérebro tem uma preferência pela luteína.

Cura pela Natureza

CURA PELA NATUREZA – LEIA AQUI AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Com essa informação, cientistas da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign estudaram 114 pessoas com sobrepeso e obesas com idade entre 25 e 45 anos, avaliando as ingestões dietéticas de luteína e zeaxantina, a densidade ocular de pigmento macular (MPOD) e inteligência.

Eles estudaram pessoas com excesso de peso justamente porque acreditam que elas tenham problemas para absorver a luteína adequada e, portanto, correm o risco de ter um baixo status de MOPD.

Os resultados mostraram que o MPOD diminuiu com o aumento da porcentagem de gordura corporal.
 
O MOPD mais elevado, no entanto, foi associado a um QI e inteligência fluídica mais elevados, que é a nossa capacidade de resolver problemas em situações novas, e pensar de forma criativa e flexível em resposta a desafios do dia a dia.

Não houve associações significativas entre MPOD e inteligência cristalizada, a capacidade de recuperar e usar informações adquiridas ao longo da vida.

Mesmo em indivíduos com a possível dificuldade em absorver luteína, os benefícios cerebrais eram aparentes, sugerindo que obter mais da dieta pode ser uma maneira útil de proteger o cérebro.

Uma ingestão diária de 6mg de luteína e zeaxantina é considerada o nível mínimo para proporcionar benefícios significativos na saúde.

Você pode conseguir isso com uma dieta à base de plantas que incluem uma variedade de produtos frescos.

A luteína é encontrada em altas concentrações em folhas verdes como couve, espinafre, acelga e folhas de dente-de-leão.

A flor de capuchinha, que é comestível, também contêm uma quantidade de luteína muito alta.

Você também pode obter essa vitamina em forma de suplemento, geralmente vendido em farmácias e lojas de produtos naturais.

Este blog de notícias sobre tratamentos naturais não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

DEIXE SEU COMENTÁRIO