Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Depois de saber disto, você nunca mais vai roer unhas!

Talvez você pense que o vício feio de roer as unhas seja inofensivo, mas não é.

A mania está ligada ao estresse e ao nervosismo.

Este hábito surge geralmente na infância, uma fase em que a ansiedade é praticamente incontrolável.

Há que procure resolver problemas como este com a ajuda de antidepressivos, mas é preciso tomar cuidado com os efeitos colaterais.

No entanto, o acompanhamento psicológico e o consumo de remédios naturais são métodos mais seguros.

Da mesma forma que muita gente foge do estresse buscando comida, fazendo compras, há quem seja levado a roer as unhas.

No passado, os pais colocavam substâncias amargas nos dedos dos filhos para que ele não os levassem à boca.

 

Mas, segundo especialistas, esse “truque” é visto como uma punição.

O ideal é detectar o que causa tanta ansiedade nas crianças e ajudá-las.

Saber os momentos do dia em que o filho busca as unhas para roer pode ser uma boa maneira de descobrir o que realmente o aflige.

Se o vício partir de pessoas adultas, a dica é procurar manter as unhas sempre bem-cuidadas, sendo homem ou mulher.

Só assim podemos pensar duas vezes antes de estragá-las.

Outro alerta que os especialistas fazem é que os pais fiquem atentos, pois os filhos tendem a copiar suas manias.

Os riscos são vários, como:

 

–  Infecções

– Deformações

– Perda definitiva da unha

– Encravamento

– Contaminação por bactérias e vermes

O fato é que colocar os dedos na boca é criar um ambiente favorável à proliferação de fungos e bactérias.

Além disso, os ferimentos que podem causar nas cutículas são dolorosos e tendem a infeccionar.

Se for o caso, o tratamento é feito à base de antibióticos e antimicóticos.

Ou seja, roer unhas não é nada inofensivo.

É um hábito que representa sim uma ameaça à saúde.

Melhor evitar.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM