Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Criptococose, a doença transmitida por pombos e que pode ser mortal

O cocô dos pombos causa uma doença grave, a criptococose, que atinge os pulmões e pode levar à morte.

Você já ouviu falar em criptococose?

Pois essa é uma doença infecciosa – grave – transmitida por meio do contato direto com os pombos ou com seus excrementos.

Os pombos são aves urbanas, moram em edificações onde costumam fazer ninhos em telhados, forros, caixas de ar-condicionado, torres de igrejas e marquises.

Além de causarem prejuízos às estruturas dos prédios, o acelerado aumento da quantidade de pombos nas cidades tornou-se um grave problema de saúde.

Isso porque eles causam várias doenças graves que podem levar à morte ou deixar sequelas.

A criptococose é uma das principais delas, sendo a responsável por cerca de 2.400 mortes por ano apenas na América Latina, segundo estudo do Instituto Oswaldo Cruz. 

A criptococose é uma infecção pelo fungo Cryptococcus, encontrado no solo e, quando inalado, se aloja nos pulmões.

No início, a doença não apresenta sintomas, mas, quando a infecção já está em um estágio mais avançado, é comum o surgimento de tosse, dor no peito, dor de cabeça, falta de ar e erupção cutânea.

E o pior é que, se a infecção não ceder, ela pode se espalhar para outros órgãos do corpo como próstata, linfonodos e cérebro ou complicar a função das vias aéreas.

Dependendo da região do cérebro atingida pela doença, diminui a consciência, provoca convulsões, cegueira e surdez.

A reação inflamatória pode levar a uma meningite e causar a morte.

O índice de mortalidade da criptococose, segundo a literatura médica, chega a 70%. 

Mas, se for descoberta no início, a criptococose tem tratamento e cura. 

O tratamento é baseado em antifúngicos ou antibióticos específicos, dependendo do caso, e pode prolongar por até um ano inteiro. 

Para se proteger contra a infecção pelo Cryptococcus, evite todo contato direto com pombos e, principalmente, com suas fezes. 

Atenção!

A criptococose também pode ser transmitida por papagaios, periquitos e algumas aves.

Fique alerta.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

DEIXE SEU COMENTÁRIO