Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Conhecido remédio para combater parasitas pode curar covid-19

Um conhecido remédio antiparasitário é a nova esperança para derrotar o coronavírus.

Cientistas australianos da Universidade de Monash publicaram, na última sexta-feira, estudo científico que mostrou que um remédio antiparasitário bem conhecido no mundo diminui a quase zero o material viral do coronavírus em apenas 48 horas.

Trata-se da popular ivermectina, usada para piolhos, pulgas, sarna e vermes.

A ivemectina é uma droga aprovada pela FDA e já demonstrou em estudos anteriores ter atividade antiviral de amplo espectro in vitro.

Os novos testes foram feitos com células em laboratório.

Ou seja, não foi testado em humanos.

A ivemectina ainda vai passar por vários testes até ser considerada realmente um tratamento eficaz contra o novo coronavírus.

Os cientistas infectaram células com o vírus, monitorando-as por três dias.

Ao mesmo tempo que comparavam com células que não foram infectadas.

O resultado foi uma redução de até 93% da carga viral do novo coronavírus nas células infectadas em um período de 24 horas.

Após 48 horas, a redução da carga viral chegou a 99,8%!

Os cientistas concluíram que a ivermectina é capaz de inibir a proteína do coronavírus, o que causa a perda de quase todo material viral.

Também se observou a ausência de toxicidade da ivermectina em todas as fases do teste.

Claro que é uma notícia animadora!

No entanto, não é para ninguém sair por aí comprando e tomando ivermectina.

Até porque não se sabe ainda como esse medicamento vai se comportar no organismo humano.

Mesmo que os resultados sejam animadores, há muito o que ser feito antes de realmente ser considerado aprovado para o uso contra o novo coronavírus.

Muitos testes precisam ser feitos, inclusive para se chegar a uma administração segura da droga em humanos.

Mas é uma nova esperança que surge para derrotar a covid-19, além de outras que já estão sendo usadas, como a hidroxicloroquina.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO