Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Confirmado por pesquisa: chocolate amargo pode combater depressão

Confirmado por pesquisa: chocolate amargo pode combater depressão

O consumo regular de chocolate amargo pode ajudar a combater os sintomas da depressão, revela estudo publicado na revista Depression and Anxiety.

Se você está sentindo uma tristeza profunda, perda de interesse generalizada, falta de ânimo, mudanças no apetite, insônia, ausência de prazer e oscilações de humor que podem acabar em pensamentos suicidas, cuidado!

Esses são os principais sintomas da depressão.

A depressão atinge mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

No Brasil, a estimativa é que 5,8% da população seja afetada pela doença.

Fatores genéticos, psicológicos, biológicos ou ambientais podem causar depressão.

Além de traumas, abuso de álcool, traumatismo craniano, fibromialgia e medicamentos.

Para ajudar a aliviar os sintomas da doença, comer chocolate amargo pode ser uma boa alternativa.

É o que revela pesquisa recente publicada na revista Depression and Anxiety

Para o estudo, os cientistas analisaram os dados de 13.626 adultos da Pesquisa Nacional de Exame de Saúde e Nutrição dos EUA.

Eles avaliaram o consumo de chocolate dos participantes em relação às suas pontuações no Patient Health Questionnaire, que incluiu ainda perguntas sobre sintomas depressivos. 

Uma série de outros fatores como altura, peso, etnia, atividade física, educação, estado civil, renda familiar, tabagismo e problemas crônicos de saúde também foram levados em consideração.

Os médicos descobriram que os indivíduos que consumiam chocolate amargo tinham uma probabilidade 70% menor de relatar sintomas depressivos clinicamente relevantes em comparação com aqueles que relataram não comer chocolate amargo.

E mais: os 25% de consumidores de chocolate que comiam qualquer tipo de chocolate também tinham menos probabilidade de relatar sintomas depressivos do que aqueles que não comiam nenhum tipo de chocolate.

Muito bom, não é?

Mas não acabou, não!

Veja aqui uma lista com vários outros alimentos que podem ajudar a diminuir os sintomas da depressão.

1. Iogurte

Os lactobacilos probióticos presentes no iogurte podem elevar o humor e reduzir os níveis de ansiedade, revelou estudo realizado na Universidade de Virginia

A pesquisa descobriu ainda que a redução de bactérias benéficas no intestino aumenta um metabólito sanguíneo conhecido como quinurenina – e é quando os sinais de depressão começam a aparecer.

2. Verduras folhosas escuras

Verduras como espinafre, agrião, mostarda, alface e acelga são ricas em folato, uma vitamina B solúvel em água que afeta substâncias químicas do cérebro relacionadas ao humor. 

Baixos níveis de folato causam sintomas depressivos e má resposta aos antidepressivos.

3. Nozes

As nozes são ricas fontes de ácidos graxos ômega 3, que ajudam a função cerebral e reduzem os sintomas de depressão.

Aumente o consumo de gorduras saudáveis.

4. Abacate

O abacate tem gorduras saudáveis ​​que o seu cérebro precisa para funcionar adequadamente. 

Três quartos das calorias do abacate são principalmente de gorduras monoinsaturadas presentes na forma de ácido oleico.

Além disso, possui  vitaminas K, B (B9, B6, B5), C e E12 e fibra dietética.

5. Frutas vermelhas

Mirtilos, framboesas, morangos e amoras estão cheios de antioxidantes que reparam células, protegem de depressão, câncer e outras doenças. 

Um estudo publicado no Journal of Nutritional and Environmental Medicine revelou que aqueles tratados com antioxidantes tiveram índice de depressão significativamente menor.

6. Tomate

O tomate contém ácido fólico e ácido alfalipóico, excelentes para combater a depressão.

O ácido alfalipóico ajuda na conversão de glicose em energia e estabiliza o humor.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO