Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Como saber se o sal do Himalaia é verdadeiro ou falsificado – você não vai ser mais enganado!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

O sal do Himalaia é famoso pelos seus maravilhosos benefícios.

Além de ser integral, riquíssimo em minerais, esse ingrediente pode:

  • Auxiliar na saúde vascular;
  • Ajudar na função respiratória;
  • Promover o equilíbrio do pH estável dentro das células
  • Reduzir os sinais de envelhecimento

Há muitas outras vantagens em consumir o sal rosa, mas a maior questão desta matéria é alertar sofre a falsificação, que está cada vez maior no Brasil.

Você acredita que estão falsificando o sal do Himalaia?

Isso mesmo!

Como se trata de um dos melhores sais do mundo, o preço é, de fato, “salgado”.

Um quilo de sal do Himalaia pode chegar a custar até R$ 100,00.

Mas quem consome um quilo de sai num mês?

Considere também que esse sal salga duas vezes mais do que o refinado.

Portanto, vale a pena!

Para saber se o que você comprou é o sal do Himalaia verdadeiro, faça os seguintes testes:

1. Observe o preço: se tiver muito barato, desconfie.

2. Observe o tipo de cristal: o sal verdadeiro costuma ser mais sequinho, pois é extraído de minas secas.

3. Observe a cor: o verdadeiro sal do Himalaia é mais clarinho do que o falsificado.

O teste infalível para comparar os sal verdadeiro do falso é colocar cada um num copo com água.

Feito isso, mexa bem com a ajuda de uma colher.

Se o seu sal for falso, ele vai deixar o copo de água bastante escuro, um pouco avermelhado.

Por outro lado, se for verdadeiro, a água vai continuar branca.

VÍDEO – PESQUISADOR ESCLARECE A POLÊMICA DO FLÚOR NO SAL DO HIMALAIA

O que acontece é que pegam o sal marinho e colocam corante, para enganar as pessoas.

Ah, também é bom destacarmos uma polêmica em especial que criam em torno do sal do Himalaia: o flúor.

Todos nós sabemos que o flúor faz mal à saúde.

No entanto, a presença dele no sal rosinha é muito pequena, insignificante.

Para que ele passe a fazer mal, é preciso consumir uma quantidade absurda, o que é humanamente impossível.

Só quem provou sabe o quanto o sal do Himalaia é realmente mais salgado do que o tradicional.

E, por isso, usa-se uma menor quantidade para salgar os pratos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO