Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram

Cogumelos ajudam a evitar o declínio da função cerebral na velhice

Cogumelos

Cogumelo é um alimento riquíssimo em nutrientes.

E, de acordo com um estudo realizado na Universidade Nacional de Cingapura (NUS), trata-se de um verdadeiro remédio natural para nosso cérebro.

Se você já chegou na terceira idade, saiba que consumir cogumelo diariamente diminuirá o risco de declínio cognitivo.

Idosos que comem mais de duas porções de cogumelos – equivalente a 300g – por semana podem ter redução de 50% nas chances de ter comprometimento cognitivo leve.

Mas por que será que isso acontece?

Segundo os estudiosos, este alimento contém um composto específico chamado “ergothioneine”, que é encontrado em quase todas as variedades de cogumelos.

O doutor Irwin Cheah, pesquisador sênior da NUS Biochemistry, diz que esse composto nada mais é do que um antioxidante e anti-inflamatório singular.

Ou seja, nós, humanos, não somos capazes de sintetizá-lo sozinhos.

No entanto, graças a Deus, podemos desfrutar dos benefícios a partir do consumo de certos alimentos, e os cogumelos estão aí para nos ajudar.

O estudo também afirmou que idosos com comprometimento cognitivo leve apresentam sintomas sutis de perda de memória ou esquecimento, assim como um déficit em outras funções cognitivas, como linguagem, atenção e habilidades visuoespaciais.

Estimulados a descobrir um antídoto para esta terrível condição, pesquisadores realizaram um experimento entre 2011 e 2017.

Eles usaram como referência seis tipos de cogumelos, entre eles o shiitake e o champignon branco, além de cogumelos secos e enlatados.

Ou seja, os mais comuns.

600 idosos chineses, residentes em Cingapura e com mais de 60 anos, responderam a algumas entrevistas e se submeteram a alguns testes.

Nesse processo, levou-se em conta informações demográficas, histórico médico, fatores psicológicos e hábitos alimentares.

Pressão arterial, peso, altura, força de preensão manual e rapidez também foram medidos.

Os participantes não deixaram de fazer uma avaliação neuropsicológica-padrão de duas horas.

Isso tudo nos mostra que o estudo foi bastante complexo, o que aumenta a credibilidade.

Para você ter ideia da grandeza desse trabalho, recentemente, o doutor Irwin Cheah descobriu que uma deficiência no composto “ergothioneine” poderia mesmo ser um fator de risco para doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer.

E não é só isso!

Também descobriu que hericenones, erinacines, scabronines e dictyophorines, antioxidantes contidos nos cogumelos, podem promover a síntese de fatores de crescimento de nervos.

Enquanto isso, compostos bioativos protegem o cérebro da neurodegeneração.

Para formar conclusões mais fortes, a equipe de pesquisa pretende investigar o composto puro da ergothioneine e outros ingredientes à base de plantas.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM