Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Chineses criam os primeiros seres humanos geneticamente modificados

Quem imaginou que um dia seria possível criar bebês – humanosgeneticamente modificados?

Pois acredite, parece que isso já é uma verdade e aconteceu há poucos meses, na China.
 
Olha só: o pesquisador chinês He Jiankui, de Shenzhen, usou o sistema CRISPR (Repetições Palindrômicas Curtas Agrupadas e Regularmente Interespaçadas) para criar os primeiros bebês geneticamente modificados do mundo, duas meninas gêmeas, Nana e Lulu.

A tecnologia, conhecida como “tesouras moleculares CRISPR/Cas9”, que supostamente permite a alteração livre e quase irrestrita de genes do corpo humano, foi utilizada para alterar o CCR5, gene que é atacado pelo vírus HIV, o agente causador da AIDS.

O objetivo é de que as crianças desenvolvam imunidade contra a doença ao longo de suas vidas.

Descrevendo de forma grosseira, a tecnologia é quase literalmente um “Ctrl+C/Ctrl+V” de partes do DNA humano, permitindo que seções dele sejam trocadas conforme necessidade.

Para tornar possível o nascimento das gêmeas, um grupo de pesquisadores da Universidade Sulista de Ciência e Tecnologia de Shenzhen, liderados por He Jiankui, utilizou esperma e óvulo dos pais, gerando um embrião por meio do processo de fertilização in vitro (IVF) onde, enfim, foi conduzida a “edição” genética.
 
Em seguida, depois de “editado”, o embrião foi reinserido no útero da mãe, levando à gravidez e, posteriormente, ao nascimento das gêmeas Nana e Lulu.

Durante a pesquisa, foram recrutados sete casais héteros nos quais o homem tinha HIV.

He Jiankui alegou que não tentou impedir a transmissão do HIV do esperma do pai para o embrião, já que o risco de transmissão cai quando o esperma é lavado antes da inseminação por fertilização in vitro.

Em vez disso, ele defendeu que queria proteger os bebês da infecção mais tarde, durante a vida deles.

Apesar de ainda não haver confirmação independente da reivindicação de He, e de ela não ter sido publicada em um periódico, onde seria examinada por outros especialistas, a prática da modificação genética utilizada pelo chinês tem sido contestada por muitos pesquisadores.

Um grupo de 122 cientistas chineses chamou as ações de Jiankui de “loucas” e afirmou que foi “um grande golpe para a reputação global e desenvolvimento da ciência chinesa”.

Por outro lado,  muitos pesquisadores se posicionam a favor do uso da tecnologia CRISPR.

Tanto que, em 2016, a China recebeu apoio e embriões do Reino Unido para utilizar a tecnologia.

O Japão fez o mesmo neste ano.

Porém, a prática é proibida em países como Brasil, México, Canadá, entre outros.

Já outros, como o já citado Reino Unido, permitem a pesquisa por meio da tecnologia, porém proíbem o seu uso clínico.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO