Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Câncer de vagina: sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Ao apresentar sintomas como dor durante a relação sexual, sangramento, coceira e dificuldade de urinar, a mulher deve imediatamente consultar um ginecologista.

O câncer vaginal é uma doença que acomete o sistema reprodutor feminino.

Essa é uma patologia rara, principalmente no caso de mulheres jovens, pois costuma afetar mulheres acima de 50 anos.

Segundo a American Cancer Society (Sociedade Americana de Câncer), cerca de uma em cada 1.100 mulheres irá desenvolver câncer na vagina.

Algumas mulheres têm maior probabilidade do que outras de desenvolver essa patologia.

Entre os fatores que aumentam os riscos estão: 

  • Ter mais de 60 anos
  • Ser portadora de HIV
  • Ter HPV 
  • Ser viciada em bebidas alcoólicas
  • Ser viciada em cigarro
  • Ter outro tipo de câncer, como retal, uterino ou cervical
  • Ser diagnosticada com neoplasia vaginal intraepitelial
  • Ter nascido de mãe que tomou dietilestilbestrol durante a gestação

Sintomas do câncer de vagina

Grande parte das mulheres com câncer na vagina apresenta um ou mais dos seguintes sintomas:

  • Sangramento vaginal anormal
  • Sangramento após o ato sexual
  • Corrimento muito líquido ou com mau cheiro
  • Massa palpável
  • Dor durante a relação sexual
  • Vermelhidão e inchaço na região genital
  • Vontade frequente de urinar

Quando essa patologia entra em estado avançado, pode apresentar sinais como:

  • Dor ao urinar
  • Constipação
  • Dor na região pélvica
  • Dor nas costas
  • Inchaço nas pernas

No entanto, ter algum desses sintomas não significa que você está com câncer vaginal.

Isso porque esses sinais também são comuns de quando a mulher sofre com alguma doença benigna, como uma infecção.

A única maneira de ter certeza do que está causando esses sintomas é consultar um médico ginecologista e fazer exames de rotina.

Exames diagnósticos

O primeiro exame a ser realizado para diagnosticar o câncer vaginal é a biópsia.

Mas existem outros exames que podem ser feitos para avaliação, como:

  • Cistoscopia
  • Proctoscopia
  • Tomografia computadorizada
  • Ressonância nuclear magnética

Estágios do câncer de vagina

Quem determina o estágio do câncer é o médico, com base no grau de disseminação.

Existem quatro estágios:

  • Estágio I: o câncer limita-se à parede da vagina.
  • Estágio II: o câncer já se disseminou até os tecidos adjacentes por meio da parede da vagina, porém ainda está dentro da pelve.
  • Estágio III: o câncer se disseminou por toda a pelve, mas ainda não chegou na bexiga ou no reto.
  • Estágio IV: nesta fase o câncer já se disseminou até a bexiga, no reto ou para fora da pelve, como nos ossos e pulmões.

Tratamento

Os tratamentos comuns incluem cirurgia a laser ou tratamentos tópicos para remoção do tecido anormal.

Caso a doença já tenha progredido, pode ser necessário fazer cirurgia, radioterapia e/ou quimioterapia.

Alguns tratamentos podem afetar a fertilidade.

Por isso, se você pretende ter filhos, converse com seu médico e exponha isso a ele.

Prevenção contra o câncer vaginal

Esse tipo de doença é difícil prevenir, mas alguns hábitos podem diminuir os riscos.

São eles:

  • Fazer sexo apenas com parceiros de confiança
  • Usar sempre preservativos
  • Fazer testes de Papanicolau regularmente
  • Equilibrar o pH vaginal – para isso, use sabonetes específicos recomendados pelo ginecologista
  • Vacinar-se contra o HPV
  • Não fumar e não se expor a fumantes
  • Limitar o consumo de álcool

Lembre-se: o câncer vaginal tem maiores chances de cura quando detectado precocemente e iniciado o tratamento na fase inicial.