- PUBLICIDADE -

Error: Embedded data could not be displayed.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Cada vez mais mulheres morrem de derrame – aqui estão os motivos e os sinais de alerta

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

O acidente vascular cerebral (AVC) também é conhecido como derrame.

Trata-se de um infarto cerebral causado quando o fluxo de sangue é interrompido em uma parte do cérebro.

Resultado: as células morrem pela falta de oxigênio.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, no ano passado, pela primeira vez, o número de mulheres que morreram de AVC igualou-se ao do de homens, alcançando a marca de 50 mil óbitos.

Por que a quantidade de mulheres vítima de AVC está crescendo tanto.

Basicamente por três motivos:

  • Elas estão tendo uma vida cada vez mais sedentária, do mesmo modo que os homens.
  • Boa parte delas tem nível elevado de estresse devido à tripla jornada de trabalho.
  • Após a última menstruação, elas perdem a importante proteção hormonal contra doenças cardiovasculares

É importante reconhecer os sintomas iniciais de um AVC.

Na maioria das vezes, o problema pode ser evitado ou no mínimo atenuado, se a pessoa conseguir perceber os sintomas a tempo, que são:

  • Dormência ou paralisia do rosto, braços e pernas
  • Mente confusa
  • Perda de equilíbrio
  • Problemas na visão e na fala
  • Fraqueza e tontura
  • Fortes dores na cabeça sem causas conhecidas

Para as mulheres, há também fatores de risco específicos:

  • Começar a menstruação antes de completar 10 anos
  • Começar menopausa antes dos 45 anos
  • Ter baixos níveis de DHEA, que é um hormônio endógeno produzido pelas glândulas suprarrenais.
  • Usar contraceptivos hormonais

A hipertensão arterial também é um forte fator de risco nos casos de acidente vascular cerebral.

Além disso, contribuem para o problema a inatividade física, os alimentos não saudáveis, a obesidade e o consumo de cigarro.